Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 17 de fevereiro

17.2.2011
CLIPPING
17 Fev 2011
 
MÍDIAS DE SANTA CATARINA
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Cães na equipe da força-tarefa do Corpo de Bombeiros
 
Labradores na nova equipe de salvamento
Força-tarefa que entrará em ação no Estado este mês para atender desastres terá ajuda de cães
Uma força-tarefa do Corpo de Bombeiros começará a funcionar, ainda este mês, em Santa Catarina. O objetivo é prestar pronto atendimento em situações em que ocorram desastres naturais com vítimas. São 12 equipes espalhadas pelo Estado, com 58 bombeiros, 15 viaturas, cinco reboques com quadriciclo e 10 reboques com embarcações. Mas está nos 18 cães labradores, treinados para localizar vítimas soterradas, a principal aposta para salvar vidas e diminuir o número de mortos.
No treinamento, três cachorros correm em direção ao monte de entulhos que simulam uma situação real de escombros e deslizamento de terra. As supostas vítimas são um bombeiro soterrado e um osso contendo restos humanos. Os cães são soltos e, em poucos segundos, latem repetidas vezes para alertar sobre a localização exata do que estavam buscando.
Com base nessa técnica de busca que os dezoito cães foram submetidos a dezoito meses de treinamento intenso.
Os cães de busca e resgate se infiltram em áreas de difícil acesso e detectam soterrados em até 12 metros de profundidade.
A partir daí, uma equipe formada por geólogos, engenheiros, enfermeiros e bombeiros atua na escavação e remoção dos soterrados. Esse atendimento inicial, em muitos casos, é decisivo para a sobrevivência da vítima.
De acordo com a Organização das Nações Unida (ONU), as chance de uma pessoa ser resgatada com vida diminui 80% se o socorro não for feito nas primeiras 20 horas. Com a força-tarefa, uma equipe dos bombeiros, em parceria com o Samu, estará apta a chegar a qualquer local do Estado em no máximo três horas.
 
Equipe foi planejada a partir dos desastres ocorridos em 2008
Além disso, 15 caminhonetes com tração 4×4 estão equipadas com kits de ferramentas que garantem uma autonomia de até dez dias de trabalho sem a necessidade de apoio externo.
– Caiu o antigo mito de que o Brasil era imune a desastres naturais, e Santa Catarina lidera o ranking de eventos dessa natureza. Nosso desejo é oferecer aos catarinenses uma equipe segura e profissional para atuar de forma firme no salvamento das pessoas e de seus bens – avalia o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, o coronel José Luiz Masnik.
 
Com as 12 equipes descentralizadas em todas as regiões de Santa Catarina, as ações de mobilização chegam em minutos nos maiores centros urbanos e, em algumas horas, em cidades mais afastadas.
A força-tarefa foi planejada a partir dos desastres de 2008.
____________________________________________________________________________
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Chuvas em SC
 
Chuvas não param no Norte do Estado
São Francisco do Sul foi uma das cidades mais atingidas pelas enchentes
Mais uma vez a chuva volta a assustar e a fazer estragos no Norte do Estado. Ontem, uma das cidades mais atingidas foi São Francisco do Sul. À tarde foram registrados vários pontos de alagamentos, principalmente na região de Enseada e Ubatuba, próximo do rio Acaraí.
De acordo com a Defesa Cilvil não foi registrado casos graves.
– Caso haja ocorrencias, estamos de prontidão – avisou Jair Patruni, coordenador da Defesa Civil.
A rua Estrela Azul, uma das laterais da Estrada do Forte, foi uma das várias alagadas na cidade. O embalador Marco Antonio Woltrich, 41 anos, aproveitou a folga no trabalho para vigiara situação da rua.
– Fiquei assustado porque já é a segunda vez nesta semana que a rua fica cheia de água – afirmou.
Na segunda-feira, a água entrou pela primeira vez na residência da família. Apesar de ter sido perdido nada, Marco ficou apreensivo
A preocupação é a mesma da vizinha, Luciana Mendes, 35 anos, que mora há um mês e meio no local.
– Está na hora de achar uma solução. Ainda não entrou água aqui, mas falta pouco para isso – reclama.
Choveu forte também ontem em Itapoá. Pontos de alagamento foram registrados em várias ruas, especialmente na região da Barra do Saí e do Samambaial, no Bairro Itapema. A Defesa Civil está monitorando todos os pontos de risco e confirmou que, ontem à tarde, 10 pessoas estavam desabrigadas, e outras 30, desalojadas. No final da tarde, a chuva diminuiu, mas como a previsão é para que o mau tempo continue nos próximos dias, existe a possibilidade de novos alagamentos.
Segundo os técnicos da Defesa Civil, o nível do rio Saí-Mirim está um pouco acima do considerado ideal, mas não foi dele que resultaram os alagamentos. O excesso de chuvas e a dificuldade em escoar a água foram os principais causadores das cheias de ontem. Porém, a preocupação com o rio continua, já que a previsão é que volte a chover hoje.
Em Barra Velha, o dia foi tranquilo. A situação mais crítica foi na segunda-feira, quando todos os bairros registraram pontos de alagamento e a cidade decretou situação de emergência. A prefeitura confirmou que, assim que o tempo melhorar, as obras para ampliação da galeria do rio do Peixe serão iniciadas.
Prejuízos de R$ 106 milhões
A Prefeitura de Jaraguá do Sul calcula que sejam necessários R$ 106 milhões para recuperar as áreas atingidas pelas chuvas e iniciar um programa de retirada das pessoas que moram em áreas de risco.
Desse total, cerca de R$ 50 milhões seriam para a construção de 1,1 mil apartamentos para as famílias que que estão morando em locais que tenham, por exemplo, risco de desabamentos – o déficit habitacional da cidade é de 5 mil moradias.
Outra ajuda solicitada foi a reapresentação de projetos para revitalização de bairros, com destaque para obras de prevenção a alagamentos e desmoronamentos no Chico de Paula, Nereu Ramos, Santo Antônio e Estrada Nova. O relatório solicitando esse recurso foi encaminhado ao Ministério da Integração Nacional.
– Para amenizar os efeitos da chuva na área da infraestrutura, a nossa prioridade é de R$ 28 milhões. O restante é para programas habitacionais e de prevenção – disse o secretario executivo da Secretaria de Defesa Civil de Jaraguá, Antônio Carlos da Luz.
Segundo ele, os projetos foram encaminhados para receber recursos do PAC no ano passado, mas não chegaram a ser contemplados.
– Eles ficaram fora do pacote de investimentos em 2010, no valor de R$ 28,3 milhões. Por isso, vamos reencaminhar o pedidos via Governo do Estado. Também devemos ir a Brasília para reforçar a necessidade de investimentos na cidade.
 
____________________________________________________________________________
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Política
Assunto: Secretarias regionais
 
 
Aliados se reúnem para acertar últimos entraves
Orientação do governador é conversar muito para reduzir ao máximo os descontentamentos
O secretário da Casa Civil, Antônio Ceron, se encontra com representantes dos partidos da tríplice, hoje, para tentar fechar as negociações da secretarias regionais. O anúncio dos 36 nomes estava previsto para dia 15, mas foi adiado por indefinições em 11 pastas. O novo prazo dado pelo governo é amanhã.
De acordo com Ceron, em muitas negociações a definição de uma secretaria acaba interferindo em outras. Por causa dos entraves, não é certo que todos os nomes sejam anunciados amanhã.
– É possível fechar as 36 indicações essa semana, mas eu não diria provável – afirma Ceron.
Depois da reunião com partidos, o secretário se encontra com o governador Raimundo Colombo (DEM) e com o vice Eduardo Pinho Moreira (PMDB), para apresentar uma “fotografia” das negociações.
Pelo critério da geografia das urnas, segundo o qual cada partido tem espaço conforme a votação para a Assembleia Legislativa, o PMDB ficaria com 14 pastas, DEM e PSDB com 10 cada, PTB e PPS com uma de cada. Com o argumento de que perdeu espaços no primeiro escalão, o PMDB briga para ficar com 16 secretarias, deixando o DEM com oito.
– O PMDB não pode dizer que está satisfeito antes do resultado final, que deve sair hoje – diz o presidente em exercício do partido, João Matos.
 
Partidos brigam pelo comando de 11 regionais
Na avaliação do deputado estadual Dado Cherem (PSDB), que participou das negociações, os partidos já estão próximos de um acordo, mas ainda há algumas questões a ser discutidas:
– Existe um reconhecimento por parte do próprio governo que o PSDB não foi contemplado no Oeste.
Segundo Ceron, o governador defende que haja muita conversa para causar o menor desgaste possível, mas o próprio secretário admite que não será possível contentar a todos.
Conforme apurou o colunista Roberto Azevedo, 25 pastas já estão loteadas (ver box). Os principais problemas ficam por conta de Laguna, Ibirama, Ituporanga, Taió, Caçador, Videira, Seara, Xanxerê, Quilombo, São Miguel do Oeste e Jaraguá do Sul.
____________________________________________________________________________
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crimes e ocorrências
 
Apuração após fuga no presídio
Imagens que mostram o momento em que três detentas escaparam estão na sindicância administrativa, aberta pelo Deap
Uma sindicância administrativa foi aberta para descobrir se houve erro nos procedimentos de segurança quando três detentas fugiram do complexo prisional da Agronômica, em Florianópolis, terça-feira à noite. Imagens da câmera de vigilância mostram o instante em que as três mulheres pularam um muro de 3,5 metros, perto da guarita de segurança, que estava vazia.
Vanderleia Fernandes Portela, Maeli Pontes e Paola Andressa Wine estavam em prisão provisória. A última fuga do presídio feminino tinha ocorrido em 2007.
Até ontem à noite, nenhuma havia sido recapturada. Elas escaparam da cadeia oito dias depois da maior fuga da história em SC. Na semana passada, 78 homens fugiram do complexo. Ainda há 23 sendo procurados.
A princípio, a história contada pela administração do presídio feminino não leva em conta eventuais falhas nos procedimentos de segurança. Quando o banho de sol acabou, às 17h, as três detentas se esconderam sob colchões que estavam no pátio do presídio. Três horas depois, elas saíram dos colchões e pularam o muro.
Ontem, o diretor do Departamento de Administração Prisional (Deap), Adécio Velter, convocou uma reunião para discutir as recentes fugas no sistema penitenciário.
Participaram o diretor da penitenciária de São Pedro de Alcântara, Carlos Alves; o diretor do complexo prisional da Agronômica, Joaquim Valmor de Oliveira; e a gerente do presídio feminino de Florianópolis, Maria Conceição.
Para Velter, os primeiros meses do ano aumentam a probabilidade de fugas nos presídios.
– São situações que não deveriam ocorrer. Sabemos que os meses próximos ao Carnaval, somados à superlotação do sistema prisional, são fatores que aumentam o número de fugas. Apesar disso, onsiderando o aumento da massa carcerária, temos menos fugas do que no mesmo período de 2010. Mesmo assim, não descartamos nenhuma possibilidade que possa ter ocorrido no presídio feminino – avaliou.
As detentas ficaram no pátio sob os colchões das 17h até o horário da fuga, por volta das 20h30min. Sobre a ausência de vigilante na guarita, a gerente do presídio, Maria da Conceição, reclama da falta de contingente.
Na noite de terça-feira, cinco agentes penitenciários estavam trabalhando no presídio feminino. A gerente do prédio conta que a fuga só foi detectada às 21h, na hora da contagem das detentas.
– Isso não é anormal. Uma série de procedimentos de segurança internos é feita entre o banho de sol e a hora do jantar das presas – garante a gerente do presídio.
Secretário lamenta a sequência de ocorrências
O secretário de Segurança Pública, César Grubba, lamentou a série de fugas de penitenciárias e garantiu que eventuais erros serão apurados e os responsáveis. punidos.
– São fatos lamentáveis que serão devidamente apurados. Não hesitaremos em fazer a substituição e até demissão dos responsáveis, se for confirmado que houve erro nos procedimentos de segurança.
 
 
Andarilho é agredido e mutilado por moradores
Homem teve o pênis cortado e reimplantado, horas depois. Ele teria molestado uma menina de 7 anos
A Polícia Civil em Laguna, no Sul do Estado, identificou um suspeito de ter decepado com uma faca o pênis de um andarilho que teria molestado uma menina de sete anos no último final de semana.
O homem de 38 anos passou por uma cirurgia de reimplante do órgão ontem no Hospital Celso Ramos, na Capital, e os médicos acreditam que ele possa voltar a urinar e ter ereção.
De acordo com o delegado José David Machado, o autor do golpe que mutilou o pênis do andarilho seria alguém da família da menina que havia sido molestada pelo andarilho em uma canoa às margens da Lagoa Santo Antônio, no Bairro Vila Vitória.
– Identificamos essa pessoa e é bem possível que tenha sido ela que praticou o crime. Tudo indica que pelo menos mais outro homem o tenha ajudado, mas isso ainda estamos apurando – afirmou o delegado.
O suspeito pode responder por lesões corporais graves. Um dia antes de ter o pênis decepado, na segunda-feira, o andarilho levou uma surra de moradores do bairro. O pai da criança registrou um boletim de ocorrência no mesmo dia.
Um homicídio na ficha policial
Os investigadores de Laguna desconfiam que o andarilho já tinha molestado outras crianças. Em contato com a Polícia Civil da cidade de Pedras Grandes, onde ele nasceu e vivia até pouco tempo, o delegado Machado descobriu que ele já havia respondido processo por um homicídio ocorrido há vários anos na cidade de Treze de Maio, também no Sul.
Ainda na manhã de ontem, o andarilho passou por uma cirurgia de reeimplante do órgão genital. O urologista Flávio Lobo Heldwein disse que foram utilizadas técnicas de microcirurgia para reconstruir o canal urinário e vasos sanguíneos.
Caso a recuperação dela seja satisfatória, o homem poderá voltar a urinar normalmente e ter ereção, mas não com o mesma rigidez de antes da amputação.
 
 
Faxineira morre em banco
Fatalidade resume o que aconteceu no fim da manhã de ontem numa agência bancária do Itaú no Centro de Joinville. Uma funcionária morreu, vítima do disparo acidental da arma da vigilante do banco que tentava ajudá-la.
Segundo testemunhas, a auxiliar de serviços gerais Tereza Correa Nunes, 43 anos, trabalhava na limpeza quando o revólver da vigilante Silvana Severino Gonçalves, de 26 anos, caiu no chão e disparou sozinho, atingindo Tereza.
– A vigia foi ajudar a dona Tereza a erguer um vaso, para limpar o cantinho, e nisso a arma caiu e ouvi aquele barulho – contou Rosana Cristina Matário, que também trabalha na equipe de limpeza do banco.
Tereza foi atingida com um tiro no rosto e morreu no local, apesar dos esforços dos socorristas. A agência foi esvaziada e cercada pela polícia, que usou banners e uma lona para evitar que o corpo de Tereza ficasse exposto.
A vítima tinha oito filhos, e um deles ainda mamava no peito. Ontem era também o dia do aniversário de uma de suas meninas, de cinco anos. A família soube da morte da mãe pelo noticiário, na TV.
A vigilante Silvana Severino Gonçalves, de 26 anos, foi detida pela polícia e responderá pelo crime de homicídio culposo. Era o primeiro dia de trabalho dela naquela agência. O revólver que Silvana portava, calibre 38, não possui nenhum dispositivo de trava, o que, segundo a polícia, pode justificar este tipo de acidente.
 
 
Homem mata e enterra companheira
A Divisão de Homicídios da Central de Polícia desvendou, ontem, o sétimo assassinato do ano em Blumenau. Isabel Albuquerque Extekoetter, 25 anos, estava desaparecida desde o dia 2 de fevereiro. O marido, Dionei Extekoetter, 25, confessou o crime e disse que matou por ciúme. Dia 14, a família registrou boletim de ocorrência sobre o desaparecimento. Ontem, eles procuraram Dionei e o convenceram a se apresentar na Central de Polícia de Blumenau. Ele levou os policiais até Doutor Pedrinho, também no Vale, onde havia enterrado o corpo. Dionei disse em depoimento que asfixiou a esposa em casa e depois transportou a vítima. Além do corpo, ele enterrou uma sacola de roupas e pertences pessoais, para simular que ela tinha fugido.
 
 
Dois feridos na frente de escola
Tiros disparados em frente a uma escola feriram duas pessoas ontem, em Lages, na Serra. O tenente Felipe Augusto, da Polícia Militar, disse que os suspeitos são alunos do período noturno e que eles teriam intrigas com alunos que estudam pela manhã.
O caminhoneiro Volmir Macedo, de 40 anos, estava a 40 metros do local e foi atingido de raspão na cabeça. Ele disse que na hora pensou ter sido uma pedrada, mas logo começou a sangrar e se deu conta de que levara um tiro. O estudante Bruno Machado de Oliveira, de 17 anos, foi atingido na região do abdômen.
Assustado, ele foi correndo até sua casa e perdeu muito sangue. De lá foi direto para o Hospital Nossa Senhora dos Prazeres, onde foi submetido, a uma cirurgia para retirar a bala.
Os disparos ocorreram em frente à Escola de Educação Básica General José Pinto Sombra, no Bairro Guarujá, por volta das 12h, quando os alunos saíam para ir para casa. Fátima Ogliari, gerente regional de Educação, disse que quando o guarda abriu os portões o grupo já estava pronto para começar a atirar.
O guarda, os professores e direção começaram a chamar os alunos para que voltassem para dentro e se protegessem dos disparos. Um adolescente, que não teve o nome divulgado, foi identificado e preso.
 
 
Namorada assassinada com quatro tiros
Um crime ocorrido na noite de terça-feira no Centro de Balneário Camboriú chocou os moradores próximos. Lurdes Líria Simon, de 45 anos, foi morta com quatro tiros pouco antes das 23h. O principal suspeito de ter cometido o assassinato é o namorado da vítima, que não foi localizado. A morte teria ocorrido por vingança. Segundo a Polícia Militar, junto com Lurdes estava uma amiga, de 46 anos. A mulher também foi baleada e precisou ser levada ao hospital. A PM chegou a ir até a casa do suspeito, mas ele não foi encontrado. Testemunhas contaram que ele fugiu em um veículo Golf depois do crime
 
 
Três homens armados assaltam posto de combustíveis em Florianópolis
Os bandidos levaram cerca de R$ 1 mil do caixa e fugiram
Um posto de combustíveis na entrada do Bairro Monte Verde, perto do Floripa Shopping, em Florianópolis, foi assaltado por três homens armados, na noite desta quarta-feira.
Os bandidos renderam funcionários, roubaram cerca de R$ 1 mil do caixa e fugiram. A Polícia Militar não localizou suspeitos.
 
 
Perseguição termina em tiroteio e morte em Gaspar
Dois homens foram presos e um morreu afogado no Rio Itajaí-Açu
Quatro homens trocaram tiros com a polícia militar em Gaspar nesta quarta-feira à tarde. Durante perseguição na BR-470, o carro dos suspeitos bateu em uma viatura. Dois deles, armados, se esconderam no mato, no bairro Margem Esquerda.
No total, 27 policiais militares de Gaspar e Blumenau fizeram buscas e cercaram a área. A dupla tentou atravessar o Rio Itajaí-Açu nadando, mas, como a correnteza estava forte, um deles morreu afogado.
A polícia prendeu o outro foragido por volta das 18h. Um adolescente foi apreendido logo após a troca de tiros e outro levou um tiro no braço e está no hospital.
____________________________________________________________________________
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Economia
Assunto: Novo salário mínimo
 
 
Câmara aprova mínimo de R$ 545
Deputados rejeitaram destaques que aumentavam valor do mínimo para R$ 600 e R$ 560
O governo Dilma Rousseff obteve sua primeira vitória de destaque na Câmara na noite desta quarta-feira. Depois de o projeto base do Executivo para o salário mínimo ser aprovado em votação simbólica, os deputados também rejeitaram os destaques propostos pela oposição para aumentar o valor do mínimo para R$ 600 e R$ 560.
Com a derrota das duas emendas, o valor aprovado pela Câmara para o novo mínimo fica em R$ 545, conforme proposto pelo governo. A proposta segue agora para o Senado.
Se os senadores fizerem modificações no projeto, ele terá de voltar para a Câmara. Do contrário, será enviado para sanção presidencial. A vigência será a partir do mês seguinte ao de publicação da futura lei.
Desde primeiro de janeiro, o mínimo é de R$ 540 por força de medida provisória. O valor que for aprovado pelo Legislativo não será retroativo.
 
Votação das emendas
As emendas que previam o aumento do mínimo além dos R$ 545 propostos pelo governo foram apreciadas na Câmara por voto nominal. A emenda do PSDB que elevaria o mínimo para R$ 600 foi rejeitada por 376 votos a 106. Foram sete abstenções.
Em seguida, a emenda do DEM, que aumentaria o salário para R$ 560, foi derrotada por 361 a 120, com 11 abstenções.
 
Discussão
A discussão e votação na Câmara durou cerca de dez horas. A sessão extraordinária que votaria o novo mínimo iniciou por volta das 14h, mas a ordem do dia para votação do projeto começou pouco antes das 15h. A votação só terminou por volta das 0h25min desta quinta-feira.
Valorização até 2015
Além de fixar o valor do salário mínimo em R$ 545 para 2011, o texto básico do projeto de lei do Executivo estabelece diretrizes para a valorização do piso nacional entre 2012 e 2015. A proposta estabelece como base para os reajustes a inflação mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB) dos dois anos anteriores.
 
 
BLOGS
 
Visor
 
Bombeiros de SC criam seu próprio Google
O Corpo de Bombeiros de Santa Catarina está de parabéns: batizar um dos labradores treinados para atuar em operações de busca e salvamento com o nome de Google é merecedor, no mínimo, do troféu originalidade. O cão roubou a cena durante a cerimônia de criação do Grupo de Força Tarefa que vai atuar no pronto atendimento a desastres naturais nesta quarta-feira, em Florianópolis.
 
Mantida condenação a oficial da PM que bancava amante com dinheiro público
A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça confirmou, ontem, condenação imposta pela Vara da Justiça Militar da Comarca da Capital contra o ex-primeiro tenente Lídio João Ferraz de Deus, na época comandante do 3ª Pelotão da Polícia Militar, com sede em Fraiburgo, pela prática de crime contra a administração militar, na figura do peculato.
Ele apropriou-se de dinheiro público para presentear sua amante, proprietária de um prostíbulo naquela cidade. A dona da boate “Espaço Homem”, Adriana Karpinski Góes, a “Drika”, entre outros mimos, recebeu de presente de Ferraz um veículo Golf, um refrigerador, uma bicicleta ergométrica e um videogame.
O militar também patrocinou reformas no espaço físico do lupanar, além de bancar despesas com gêneros alimentícios e materiais de higiene e limpeza para o estabelecimento. O desvio de recursos públicos alcançou R$ 40 mil em 2005, época dos fatos.
 
Crônica de uma morte anunciada
Fuga de 79 detentos em Florianópolis e mais de três assassinatos dentro da Penitenciária de São Pedro de Alcântara em menos de 25 dias. Um jovem do Morro do Mocotó é morto na sexta-feira à noite durante um suposto confronto com a PM. Os moradores da comunidade protestam queimando pneus nesta segunda-feira à tarde. A polícia bloqueio o trânsito na região. Um gigantesco congesgionamento se forma ao longo das Avenidas Mauro Ramos e Beira-Mar Norte em função da manifestação. Se isto não for uma crise, o que ainda será necessário acontecer para que se caracterize uma crise na segurança pública em Santa Catarina?
 
 
Moacir Pereira
 
A insegurança e a infra-estrutura
Do presidente da Associação Comercial e Industrial do Oeste Catarinense, Odivan Carlos Cargnin, sobre os problemas de infra-estrutura da região e4 de Santa Catarina, via e-mail:
“Caro Moacir,
Embora bastante incomodado com a situação, fiquei um pouco mais confortável ao ler seu artigo no DC de hoje. Enfim alguém está enxergando a mesma “paisagem” que nós aqui do meio-oeste e da ACIOC estamos enxergando. Mas que, no dia a dia parece não ser a mesma paisagem vista por parcela da sociedade e principalmente pelo governantes. Dia a dia vemos nossos amigos sendo ceifados da nossa companhia nas estradas de SC, saliente-se em todas. Na BR 282, BR 153 e rodovias Estaduais do meio-oeste a situação é dramática. Os dados do censo revelam uma migração de pessoas das cidades menores para as maiores, no sentido interior para o litoral. Ou seja, há um deslocamento do capital humano neste mesmo sentido.
Temos duas grandes virtudes que acabaram se transformando em problemas. A primeira é o maravilhoso litoral catarinense, que estimula o desenvolvimento desta região em detrimento do interior. Em outros Estados como RS, PR e SP vemos cidades pujantes no interior do Estado, enquanto em SC vivenciamos um esvaziamento. A segunda “virtude” é o fato de termos cidades muito bem distribuídas geograficamente, especialmente no interior, como exemplo no meio-oeste. Não temos cidades com mais de 100.000 habitantes, mas temos 650 mil habitantes em um raio de 120 km de Joaçaba. Ou seja, há cidades menores, com qualidade de vida razoável, sem aglomerações e sem favelas. Mas que ficam excluídas dos principais programas governamentais, cuja a “régua” para inclusão são cidades com grande número de habitantes ou regiões metropolitanas. Enfim, vivemos um processo de litoralização em SC e de esvaziamento das cidades do interior. A economia, por conseqüência, desloca-se igualmente do interior para o litoral.
E o litoral, diga-se de passagem, sofre com a urbanização acelerada, sem infra-estrutura e sem segurança. Para finalizar, no último domingo fui assaltado exatamente ao meio-dia, em plena Beira Mar Norte (no estacionamento do Koxixos), enquanto passeava com minha família na avenida recém revitalizada. E olha que foi antes da fuga em massa do presídio. Liguei para o polícia e informei o número da placa do carro do assaltante (pois o peguei em flagrante). Disseram-me que estavam enviando uma viatura. Esperei mais de meia hora e liguei novamente, quanto fui informado que não seria deslocada qualquer viatura, mostrando grande desinteresse pelo assunto e me deixando a ver navios (veja foto da minha camionete em anexo).
Enfim, enquanto o interior se esvazia (economicamente e em capital humano), o litoral cresce desordenadamente, nossas estradas ceifam vidas e a segurança está falida. Cada um de nós deve salvar-se como puder. Forte abraço, ACIOC – JOAÇABA, Odivam Carlos Cagnin, Presidente”.
 
 
ALESC
 
Comissão de Segurança Pública realiza primeira reunião
O deputado Marcos Vieira (PSDB) teve seu nome confirmado como presidente da Comissão de Segurança Pública, em reunião ocorrida na manhã de quarta-feira (16). Ficou estabelecido ainda que a escolha do parlamentar que ocupará a vice-presidência ficará para a próxima reunião da comissão. O cargo, que deveria ser ocupado pelo deputado Jean Kuhlmann (DEM), conforme acordo de lideranças, deve ser disputado com o deputado Sargento Amauri Soares (PDT), que colocou seu nome como postulante.
Empossado, Marcos Vieira afirmou que a condução da Comissão de Segurança será especialmente desafiadora, pela dimensão que o tema tem tomado nos últimos anos. “Sabemos que esta é uma área delicada, não somente em Santa Catarina, mas em todo o país, e vamos ter muito trabalho pela frente. A fuga de presos, ocorrida recentemente da penitenciária de Florianópolis, apesar de ser um fato pontual, demonstra essa gravidade”. Um das primeiras proposições a serem analisadas, adiantou, será o projeto de lei, de origem governamental, que estabelece a criação da Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania. “Separar a Justiça e Cidadania da Segurança Pública é uma medida acertada que dará mais segurança aos dois sistemas”, explicou.
 
 
Balanço do Dia          
 
A pauta da sessão ordinária de quarta-feira (16) foi variada. Segurança, saúde e a produção rural foram temas abordados. O Sargento Soares (PDT) prestou contas de sua recente viagem a Brasília para representar a Associação de Praças de Santa Catarina (Aprasc) na reunião da Associação Nacional de Praças. O objetivo foi buscar a organização da Polícia Militar e dos Bombeiros de forma unificada no país. O tema abordado foi direito dos praças e segurança da sociedade. No encontro foram determinados 10 pontos principais que foram enviados por carta ao governo do Estado.
O deputado Dado Cherem (PSDB) ocupou o horário do partido para agradecer sua indicação à vice-presidência da CCJ – Comissão de Constituição e Justiça. Ele anunciou também a intenção de instituir o Fórum Parlamentar para descentralizar o atendimento de alta complexidade para pediatria em Santa Catarina.
O deputado Maurício Eskudlark (PSDB) ocupou a tribuna para criticar o código penal que chamou de “legislação muito benevolente”. Ele pediu mais apoio ao governo do Estado e aos secretários para a realização de concurso público para o quadro da segurança pública. “O que temos hoje ainda não é a segurança que gostaríamos de ter”, analisou. O que fazemos, exemplificou Eskudlark, é “secar o chão com a torneira aberta”. O deputado pediu mais trabalho de prevenção, principalmente nas escolas e contra o uso de drogas.
 
 
 
 
MÍDIAS DO BRASIL
 
 
Veículo: Portal Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Nova chefe da Polícia Civil do Rio
 
Nova chefe da Polícia Civil do Rio anuncia mudanças na cúpula
Nova chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, a delegada Martha Rocha anunciou nesta quarta-feira (16) os membros que irão compôr a cúpula da instituição. Sérgio Caldas, ex-diretor do Departamento de Polícia da Capital, assume a subchefia administrativa; Fernando Velloso deixa a 14ª DP (Leblon) para comandar a subchefia operacional; e Luís Zettermann, que estava na Secretaria Executiva de Promoções, fica à frente da chefia do gabinete da Polícia Civil.
De acordo com a delegada, os três foram escolhidos por serem profissionais experientes, com comprometimento e seriedade. “Todos os indicados construíram, a meu exemplo, uma carreira na Polícia Civil”, disse Martha Rocha, sobre os novos membros da cúpula.
O atual corregedor da Polícia Civil, Gilson Emiliano, continua no posto. “Ele é indicado para o cargo, tem experiência na área disciplinar”, ressaltou a chefe da Polícia Civil. “O mesmo entendimento que tive para os subchefes [experiência, comprometimento e seriedade], tive para a permanência de Gilson”, completou.
As mudanças nas direções dos quatro departamentos da Polícia Civil [Capital, Interior, Baixada e Especializada] não foram anunciadas, mas devem ocorrer amanhã. “Vou conversar com os subchefes e estabelecer alguns nomes”, disse. “Não temos nada decidido, mas faremos mudanças”.
 
“Estilo Martha”
Segundo a delegada, sob seu comando, a Polícia Civil fluminense irá funcionar com base em metas, projetos e resultados. O método foi classificado por ela como “Estilo Martha”. “Quero fortalecer as delegacias distritais. Elas têm que ser o retrato da Polícia Civil e espero que seja o melhor retrato possível”, afirmou.
O programa da Dedic (Delegacia de Dedicação Integral ao Cidadão), criado durante o comando de seu antecessor, Allan Turnowski, será mantido e ampliado. “Quero levá-lo para todas as delegacias distritais”, disse. O programa possibilita, entre outras coisas, que vítimas de crimes façam o registro de ocorrência em suas residências. Hoje o Dedic está instalado em 14 das mais de 100 delegacias existentes.
Assumindo a instituição em meio a uma crise, Martha disse que recebeu com surpresa a notícia do secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, de que iria assumir o novo posto. “Não estava pautado na minha vida que um dia eu fosse ser chefe da Polícia Civil”, avaliou a delegada, torcedora do Vasco da Gama, filha de portugueses, católica fervorosa – “de ir à missa todo domingo” – e devota de Nossa Senhora da Conceição.
“Já rezei para ela hoje. Fui à igreja antes de vir pra cá e recebi uma benção especial do padre”, disse, ostentando uma medalha com a imagem de Nossa Senhora no peito. “Acho que o Estado é laico, é claro. Mas isso não impede que eu vá lá ter uma conversa especial com Nossa Senhora”, finalizou.
___________________________________________________________________________
 
Veículo: Portal Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Chuvas em Mato Grosso
 
Chuvas isolam 7 mil pessoas em cidade de Mato Grosso
Os cerca de 7 mil moradores do distrito de Guabira, situado na cidade de Colniza (a 1.100 quilômetros de Cuiabá), estão há pelo menos 15 dias dias isolados do resto do Estado. Devido às chuvas, a MT-206, única rodovia que dá acesso ao distrito, está intransitável. A estrada não é pavimentada e, para piorar, a ponte que separa a comunidade do município caiu.
Os problemas do isolamento estão se agravando. O estoque de alimentos e medicamentos está acabando. Não há unidade de saúde no distrito – a mais próxima é o hospital de Colniza, que só atende casos de emergência e fica a 150 quilômetros de distância.
A única maneira de minimizar esses problemas é pelo transporte aéreo, que esbarra em um problema grave: Guabira não tem pista de pouso, somente de uma estrada de terra que é improvisada para que aviões de pequeno porte possam aterrissar.
“Está muito complicado, pois cada vôo não sai por menos de R$ 2 mil. Já fizemos quatro desde que não foi mais possível chegar até o distrito por via terrestre”, contou a prefeita de Colniza, Nelci Capitani (DEM).
Tal situação fez a prefeita de decretar emergência. Ela admitiu não saber o que fazer para remediar a situação e pediu ajuda à Defesa Civil, que irá enviar equipes para o local nesta quarta. “Estou no aguardo para ver o que possam me sugerir”, disse.
O distrito de Guabira é formado por famílias que vivem da agricultura, assentadas nesta parte da cidade há 20 anos. De acordo com a prefeita, é a primeira vez que a comunidade sofre com o isolamento.
A dificuldade de acesso também atinge Colniza. Além da MT-206, a outra rodovia que permite a chegada à cidade, a MT-418, também está em estado de conservação precário. Como também não é pavimentada, os atoleiros são freqüentes nessa época.
“Tem motorista que chega a ficar três dias no meio da lama, com pouca água e comida. Somente conseguem sair do atoleiro sendo puxados por tratores”, disse Nelci. A prefeitura de Colniza não possui maquinários.
Quem tem se dado bem com os atoleiros são os fazendeiros, donos dos tratores. A solidariedade para tirar os caminhões ou veículos da lama custa de R$ 100 a R$ 200,00. “Não fossem esses tratores, a situação seria bem pior”, lamenta a prefeita.
Em 2007, Colniza ganhou o inglório título de cidade mais violenta do Brasil. O município possui 27 mil quilômetros e tem na indústria madeireira a base da economia.
____________________________________________________________________________
 
Veículo: Portal Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Chuvas no Rio de Janeiro
 
Passa de 900 o número de mortos em tragédia por chuvas no Rio de Janeiro
O número de mortes por causa das fortes chuvas que arrasaram a região serrana do Rio de Janeiro entre 11 e 12 de janeiro subiu para 904, segundo o mais recente boletim divulgado nesta quarta-feira pela Polícia Civil.
As inundações e deslizamentos deixaram 426 mortos em Nova Friburgo, 381 em Teresópolis, 71 em Petrópolis, 21 em Sumidouro, quatro em São José do Vale do Rio Preto e um em Bom Jardim.
O Ministério Público do Rio de Janeiro, no entanto, reduziu para 405 o número de desaparecidos pela tragédia. Por sua vez, as Prefeituras dos municípios afetados mantêm em cerca de 35 mil a quantidade de pessoas que perderam suas casas ou precisaram ser despejadas pelos riscos de novos deslizamentos.
____________________________________________________________________________
 
Veículo: Portal Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Helicóptero e blindados da Polícia Civil seriam usados por milícia
 
Helicóptero e blindados da Polícia Civil seriam usados por milícia, diz delegado
 
O delegado Cláudio Ferraz, da Draco, afirmou em depoimento à Corregedoria Interna da Polícia Civil que um helicóptero e carros blindados da corporação seriam usados em operação na favela da Coreia (zona oeste), com o conhecimento do então chefe de Polícia Alan Turnowski, para ajudar milicianos a tomar a comunidade. A afirmação foi feita por Ferraz segunda-feira, em depoimento obtido pelo iG.
Na segunda, Turnowski lacrou a sede da Draco sob o pretexto de uma correição extraordinária. Para muitos, foi uma represália ao fato de Ferraz ter iniciado a investigação da Operação Guilhotina, da Polícia Federal. A apuração resultou na prisão de 30 policiais civis e militares, inclusive do delegado Carlos Oliveira, braço-direito e subchefe de policia na gestão de Turnowski. Entre outros crimes, os agentes são suspeitos de integrar milícias e fazer extorsões.
No depoimento, o titular da Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas) responsável pela prisão de mais de 600 integrantes de milícias afirmou que o chefe de Polícia Allan Turnowski, exonerado nesta terça-feira (15), tentou inúmeras vezes tirá-lo da função e esvaziar investigações contra seus aliados.
 
Operação da Polícia Civil a serviço da milícia
De acordo com Ferraz, em abril de 2010, apurou-se que estava sendo planejada uma operação na favela da Coreia, envolvendo policiais militares, civis e milicianos “para tomar de assalto as armas e prender os criminosos que atuavam na localidade”.
“Nas interceptações também conseguiu levantar que essa diligência seria realizada oficialmente e com o apoio da Chefia da Polícia Civil”, diz trecho do depoimento. Na ocasião, o chefe de Polícia era Allan Turnowski.
Segundo o delegado, a ação ocorreria sob a aparência de legalidade, com a existência de um inquérito policial. “Tudo estava de acordo com os trâmites legais, visto que existia inquérito policial instaurado e que seriam empregados diversos homens e viaturas oficiais, com o apoio inclusive do veículo blindado e do helicóptero da PC e que, paralelamente a essa diligência oficial, também seriam escalados milicianos para a tomada do território, armas e dinheiro dos criminosos”, afirmou Ferraz.
O delegado disse ter relatado esses fatos ao diretor de polícia especializada, que lhe prometeu levar ao conhecimento ao chefe de Polícia, Turnowski. De acordo com ele, “em seguida”, observou-se nos áudios “que o alvo havia mudado e que a oficialidade da operação estaria agora a cargo do 14º BPM (Bangu)”.
 
“Elite da Tropa 2”
Ferraz afirmou que na elaboração do esboço de “Elite da Tropa 2”, do qual é co-autor, “colocou todos esses fatos que vivenciou em sua vida profissional de forma fictícia, fazendo-se menção nessa obra, de forma também fictícia, à operação desencadeada na favela da Rocinha visando à prisão do traficante Roupinol e que não foi bem-sucedida em virtude de um novo vazamento de informações policiais”. No livro ele incluiu referências a esse episódio envolvendo a operação na favela da Coreia.
O delegado Allan Turnowski não foi encontrado pela reportagem para comentar as declarações de Ferraz.