Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 08 de abril

8.4.2011
CLIPPING
08 Abril 2011
 
MÍDIAS DE SANTA CATARINA
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Política
Assunto: Entrevista com governador sobre suas ações
 
Governador fala sobre tesoura nos gastos, governo Dilma e o DEM
Economia de R$ 1 bilhão
Vamos alcançar a meta a que nos propusemos e os investimentos serão detalhados a partir do final de maio, depois das visitas pelo interior. Não tem nenhuma obra parada, mas novos investimentos só vamos definir no final de maio.
 
Metas para as secretarias
Divididas em três etapas. Primeiro, a redução de custos – do Estado, não só das secretarias. Segundo, a interação comunitária, e terceiro, o investimento. A ideia é de que elas sejam agências regionais de desenvolvimento. Não quero que elas sejam executoras de obras. Se isso agilizar, pode até ser feito, mas a ideia é que elas identifiquem a obra, acompanhem, sejam fiscais do governo, mas que a execução não seja responsabilidade delas. Porque elas não têm estrutura para isso. Isso não é centralizar a execução, porque, na verdade, o Estado contrata, não executa mais nada. A ideia é que o contrato seja feito aqui, onde tem uma estrutura mais preparada.
 
Mais policiais
Vamos contratar 1,5 mil policiais militares. Era para ser mil, conseguimos ampliar. Serão mais 80 em sete regiões, vamos conseguir 560. A gente está estudando se precisa abrir outro concurso. Talvez sim, mas acho que vamos conseguir aproveitar quase todos (do último concurso).
 
Resultados dos cem dias
Na questão prisional, temos tido bons resultados. Ativamos o presídio de Itajaí e estamos ativando a penitenciária. Vamos começar a construir a nova daqui (Florianópolis) aceleramos os presídios de Chapecó, Tubarão e Lages. A gente deslocou recursos para priorizar esses investimentos. Mantivemos todos os serviços, a saúde. Enfrentamos as cheias, que foi um negócio terrível, que atingiu mais de cem municípios ao mesmo tempo. Tem também a questão do aeroporto, que, para nós, é emblemática.
 
Conheceu a máquina?
Sob o ponto de vista da máquina, sim. Mas vamos fazer agora algo que considero importante, que é agregar o contato com as pessoas. Me isolei um pouco nesse período e essa visita às 36 regionais vai me permitir essa reaproximação e ter, de forma completa, um diagnóstico.
 
As maiores preocupações
O que mais me preocupa, neste momento, é a questão prisional, que exige demandas fortes. Também a questão do menores infratores. Estamos fazenos novas unidades e acelerando o processo para entregar rápido. Na saúde, o diagnóstico está quase completo. É um grande desafio.
 
Herança
Claro que, agora, a gente tem um detalhamento maior. Mas tem muita coisa boa que vamos poder aproveitar, potencializar, fazer com que tenha cada vez mais resultado. São etapas que vão sendo vencidas. Vamos fazer um grande trabalho.
 
Governo federal
O momento mais crítico foi o das enchentes. Procurei o governo federal e fui bem atendido. Pedi apoio, eles liberaram, imediatamente, R$ 30 milhões, ainda tem R$ 10 milhões do Ministério dos Transportes que devem sair esta semana. Fiquei feliz com o atendimento. Outro encaminhamento é esse do aeroporto Hercílio Luz. Vou levar, provavalmente, dia 12 na Infraero, a liberação.
 
Ponte Hercílio Luz
Estamos com as obras em execução. Elas estão submersas, mas tem gente trabalhando ali. Estamos fazendo o estaqueamento para dar andamento a isso. Agora, vamos constituir um grupo de acompanhamento. Grupo técnico, financeiro. Quero representante do Crea, do Ministério Público, porque é uma soma muito elevada. Quero acompanhar para saber o que é isso. Não pode só ter um número, quero detalhar. Considero o símbolo uma marca que não pode se perder, mas só isso não basta. Como é um patrimônio histórico, a Lei Rouanet permite aportar recursos. Isso é um caminho interessante. Qual é a grande empresa do país que não deseja ser parceira de um monumento da importância da Hercílio Luz. A Celesc, por exemplo, o BRDE, a Petrobras, o Banco do Brasil, nós somos parceiros.
 
Penitenciária da Capital
Uma decisão que a gente tomou é da penitenciária. Não tem mais condições, tem que tirar dali. Isso a gente vai fazer. Isso custa R$ 80 milhões. A área vai continuar pública. A ilha já está comprometida no seu desenvolvimento, urbanismo. Não tem mais nenhum lugar no Centro com 85 mil m2. Não posso fazer mais arranha-céus ali. Tem que dar um destino público.
 
Futuro político
Não me inclino por um novo partido, mas por um movimento de mudança no modelo político que pudesse desaguar em um novo partido. Não pretendo fazer nenhum gesto de mudança até a eleição municipal. Não quero mais do mesmo. Acho que o Gilberto Kassab (prefeito de São Paulo) foi corajoso (ao deixar o DEM para lançar o PSD). Percebeu esse sentimento e fez um partido. Ele não queria mais um, queria um partido que se identificasse com esse contexto. A senadora Kátia Abreu representa renovação, qualidade. É uma liderança nova, com muita energia. Gosto muito dela, acho uma das principais lideranças que sugiram. Ela dá reforço significativo ao PSD e é uma perda muito grande para o DEM.
“Não quero que as secretarias sejam executoras de obras. Se isso agilizar, pode até ser feito, mas a ideia é que acompanhem a obra, sejam fiscais do governo.”
“Não me inclino por um novo partido, mas por um movimento de mudança no modelo político que pudessse desaguar em um novo partido.”
“Qual é a grande empresa do país que não deseja ser parceira de um monumento da importância da Ponte Hercílio Luz?”
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Política
Assunto: Cem dias de governo
 
Com os pés no chão
Próximo de completar cem dias de governo e de chegar ao prazo de 120 dias para imprimir ações efetivas na gestão do Estado, o governador Raimundo Colombo sintetiza o espírito que quer dos seus comandados, no papel de motivadores dos servidores para atender ao lema as pessoas em primeiro lugar. A marca, reiterada nos encontros com o colegiado, foi reforçada ontem.
De prático, Colombo pediu a cada secretário ou presidente de empresa pública que estabeleça uma meta realizável para compor um conjunto de boas notícias ao fim da fase de ajustes. O governador não está a se referir a prioridades, quer ações que tenham eco na população e sejam realizadas de forma imediata. O exercício será cobrado no seminário estadual do dia 4 de maio.
Colombo definiu o atual momento de governo como o de “pé no chão”, oportunidade em que mapeou a realidade da máquina pública que comanda. Nas internas, se diz ansioso para pôr em prática seus projetos.
O governador precisa mesmo. Para os pacientes que precisam de medicamentos de combate ao câncer agora, aos cidadãos que clamam por mais segurança nas ruas, entre outros, não há como explicar a demora no Estado em atender seus anseios. As administrações bem-sucedidas são aquelas que agem para atacar as causas de problemas crônicos e não apenas se valem da “lei da aspirina”, que só age nos efeitos, para se mostrarem presentes. A lua de mel com o governo Colombo está no fim.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Política
Assunto: Informe Político
 
 
ALIÁS
Mesmo que a tragédia no Bairro de Realengo, no Rio de Janeiro, tenha o componente da fatalidade e da loucura do seu autor, o conceito de segurança nas escolas públicas de Santa Catarina continuará sendo uma câmera pendurada na parede e a placa promocional da empresa que presta o serviço?
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Marcada audiência para médico suspeito de abuso
 
Primeira audiência está marcada para 3 de maio
Médico que teria tocado as partes íntimas de oito mulheres no Vale ainda não deixou o hospital
Está marcada para as 14h do dia 3 de maio a audiência de instrução e julgamento do caso do médico Fernando César Buchen, suspeito de atentado ao pudor contra pacientes.A audiência foi agendada ontem pelo juiz Sérgio Agenor Aragão.
Hoje, o magistrado deve receber o laudo médico feito pelo Instituto Geral de Perícias (IGP) de Blumenau e avaliará se há necessidade de o ortopedista continuar no Hospital Santa Isabel, onde está desde sábado, quando se feriu com facas dentro do Presídio Regional de Blumenau.
Os exames foram feitos ontem, mas os resultados não tinham sido enviados ao juiz até o fechamento do Fórum, às 19 horas.
Caso o judiciário determine que Buchen não precisa ficar hospitalizado, ele voltará ao presídio imediatamente, já que a liminar do habeas corpus pedida pela defesa foi negada pelo Tribunal de Justiça (TJSC) na segunda-feira. Os desembargadores agora irão julgar o mérito do pedido feito pelo advogado Luís Roberto Schmitt Júnior. Não há prazo para que isso ocorra.
Enquanto isso, o médico continua internado para se recuperar dos ferimentos. Quarta-feira, Aragão determinou que o médico pode receber visitas de acordo com as normas administrativas do hospital, da Polícia Militar (PM) e da Corregedoria do Presídio Regional de Blumenau.
Buchen foi preso sexta-feira passada em Blumenau. Desde 2008, ele respondia em liberdade a um processo administrativo movido por duas pacientes pelo crime de atentado ao pudor. Como era investigado, uma terceira denúncia, feita por uma jovem de 24 anos, serviu de base para o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pedir a prisão preventiva, que foi acatada pela Justiça.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Suspeito de espancar idosa não se apresenta na DP
 
Suspeito não se apresenta na DP
O rapaz de 28 anos, suspeito de mandar espancar sua parente, um idosa de 76 anos, não se apresentou à polícia de Jaraguá do Sul ontem, conforme havia prometido, e como esperava o delegado que preside o inquérito, Marco Aurélio Marcucci.
Para a polícia, ele é considerado foragido, já que seu mandado de prisão foi emitido na sexta-feira passada, logo depois do crime.
– Ele tinha prometido se apresentar espontaneamente. Mas mandou seu advogado me dizer que não fez isto devido à repercussão do fato na mídia. Afirmou que teme por sua integridade física se vier a Jaraguá do Sul – disse o delegado.
Marcucci informou, então, ao advogado do suspeito
– Se quiser, ele pode se apresentar numa delegacia de outra cidade, como Joinville, Piçarras ou Barra Velha, mas que, de qualquer maneira, terei que trazê-lo para cá para ouvi-lo– explicou.
A vítima, Hermelinda Pinter, continua internada no hospital. Ela foi espancada e quase asfixiada com fios elétricos. Segundo a polícia, o suspeito queria cerca de R$ 4 mil, que estavam escondidos no guarda-roupas. Quando entrou na casa, ele foi direto para o quarto.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Câmera flagrou roubo de gasolina
 
Câmera flagrou roubo
Um funcionário público de Rio Negrinho, no Norte de SC, foi preso roubando combustível.
Ele foi flagrado por câmeras da própria prefeitura abastecendo uma Kombi, seu veículo particular. O local: posto da Secretaria de Infraestrutura do município.
O flagrante foi feito no último sábado. A prefeitura já desconfiava da ação do vigia, e por isso, instalou o sistema de vigilância eletrônica. O filho do vigia e outro servidor da prefeitura também foram presos. Eles vão responder por crime de peculato (roubo do patrimônio público).
Ontem, o vigia foi liberado da prisão por estar sofrendo de graves problemas de Saúde. Se forem condenados, os suspeitos podem pegar de dois a 12 anos de prisão.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Dois soldados são expulsos da PM em Caçador
 
Dois soldados são expulsos da polícia
Dois soldados da Polícia Militar em Caçador, no Meio-Oeste de SC, tiveram a expulsão da corporação comunicada ontem.
Eles estavam sendo investigados administrativamente por terem vendido um arma apreendida em uma ocorrência no ano passado.
Conforme ficou constatado pela Corregedoria da PM, mais ou menos na metade de 2010 os soldados foram atender uma briga de família no interior do município e apreenderam um revólver calibre 38. Dias depois, eles teriam vendido a arma a um guarda particular.
Como a arma estava registrada, o dono foi até o Batalhão da PM para reaver o bem. Foi então que a polícia descobriu que a arma não havia sido entregue na delegacia no dia da apreensão, como era previsto.
As investigações levaram mais de seis meses, e não restou dúvida para a Corregedoria. Os soldados, que têm seis e dois anos de profissão, tiveram a expulsão como punição por não terem a chamada estabilidade (10 anos de serviço na PM).
O tenente-coronel Álvaro Luiz Lopes explica que não cabe recurso à decisão da Corregedoria, por isso ambos nunca mais poderão atuar na Polícia Militar. Os dois ainda respondem a um processo criminal na Justiça.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crimes e ocorrências
 
Polícia flagra tentativa de assalto a banco
A Polícia Militar flagrou na noite de quarta-feira uma tentativa de assalto a banco em Paulo Lopes, na Grande Florianópolis. Um homem foi detido. Por volta de 22h, o alarme de agência disparou. Uma guarnição da PM foi ao local e encontrou fita adesivas nos sensores de segurança. As câmeras de segurança mostraram três homens colocando os esparadrapos. A PM acredita que eles voltariam mais tarde para cometer o assalto.
 
Deic prende mulher na Favela do Siri
A Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) prendeu ontem uma mulher por tráfico de drogas na Favela do Siri, na praia dos Ingleses, em Florianópolis. O lugar, no Norte da Ilha, vinha sendo alvo de operações e investigações em razão do grande número de bocas de fumo e de jovens armados. A ação da Deic foi pela manhã. A mulher foi presa em flagrante com droga, mas não teve o nome divulgado.
 
 
Aconteceu na ALESC
 
São Miguel do Oeste terá audiência pública sobre segurança e combate às drogas
O deputado Mauricio Eskudlark (PSDB), conseguiu aprovação, nesta quarta-feira (6), durante reunião da Comissão de Segurança Pública, da qual faz parte, para a realização de uma audiência pública, durante o mês de junho, em data a ser marcada, no município de São Miguel do Oeste. O encontro terá como propósito debater segurança pública do extremo-oeste, o local para a construção de uma nova unidade prisional no município e a união de esforços para o combate as drogas, principalmente o uso do crack, que cresce na região.
Eskudlark disse que pretende contar com o apoio da Associação Comercial e Industrial (ACISMO), dos Conselhos Comunitários de Segurança (Consegs), da Unoesc, bem como de outras entidades da comunidade para auxiliar na organização da audiência pública. Além da questão do aumento do consumo de crack, preocupa também a localização da nova unidade prisional a ser construída, que poderá ficar muito próxima a área urbana do município, segundo manifestações que chegaram ao gabinete do deputado.
Chapecó – Outra audiência pública sobre segurança aprovada através de requerimento de Mauricio Eskudlark, prevista para o final de abril, em Chapecó, acabou sendo adiada a pedido do próprio, para daqui a 90 dias, tempo necessário para as lideranças da assembleia avaliarem os resultados iniciais do programa Segurança Máxima, lançado semana passada para o município e região.
A Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa também aprovou uma moção encaminhada por diversas entidades esportivas, recreativas e culturais de Chapecó. Segundo Eskudlark a moção reivindica o aumento do número de efetivos do Corpo de Bombeiros da região, uma vez que apenas 65 bombeiros militares atuam na região Oeste, que abrange aproximadamente 150 municípios, sendo que destes, nove estão atuando no Aeroporto Serafim Bertaso, em Chapecó.
 
Ana Paula exige medidas urgentes do governador para melhorar a segurança de Blumenau e região     
A Assembleia Legislativa aprovou por unanimidade, na manhã desta quinta-feira (07/04), moção de autoria da deputada Ana Paula Lima (PT) que expressa a preocupação com o crescimento da violência na região do Médio Vale do Itajaí e exige providências urgentes do governo do Estado. “Queremos o atendimento imediato das reivindicações da comunidade de Blumenau e região na área de Blumenau, que necessita de aumento do efetivo de policiais militares, civis e agentes prisionais”, disse a deputada. A moção apela ainda para a instalação de, no mínimo, 120 câmeras de vigilância, a renovação da frota de veículos e a implementação de políticas de prevenção de cidadãos vitimados pelas drogas.
Em levantamento apresentado no texto da moção, a deputada explica que ?a população de Blumenau ultrapassa os 309 mil habitantes e possui 280 policiais militares efetivos, o que representa apenas um policial para cada 1.096 habitantes.? Quanto ao policiamento civil, a cidade conta somente com 67 policiais, ou seja, um profissional para cada 4.600 habitantes.
Na moção que será encaminhada ao governador, a deputada aponta que, na região de abrangência do 10º Batalhão da Policia Militar, que atende a 10 municípios, a situação se agrava com a ausência de policiais, além de equipamentos defasados, como viaturas em números insuficientes em mau estado. “É necessário o estabelecimento do Programa Segurança Máxima do Governo do Estado”, disse a deputada ao enfatizar que as autoridades estaduais precisam dar prioridade à questão, devolvendo a tranquilidade à população.
 
BALANÇO DO DIA
O deputado Marcos Vieira (PSDB) e a deputada Ana Paula Lima (PT) discutiram na tribuna sobre os problemas da segurança pública de Santa Catarina. O parlamentar tucano afirmou que o governador Leonel Pavan assinou convênio com o Programa Nacional de Segurança Publica com Cidadania (Pronasci) em junho de 2010, mas os R$ 20 milhões prometidos não foram entregues pelo governo federal. Em resposta, a deputada Ana Paula disse que o governo não enviou projetos e que sem projetos não pode haver liberação de recursos.
 
 
MÍDIAS DO BRASIL
 
 
Veículo: Último Segundo
Editoria: Brasil
Assunto: Tragédia em escola do Rio
 
 
Homem invade escola no Rio e mata 12 crianças
Wellington Menezes de Oliveira, que também morreu, era ex-estudante da Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo
Treze pessoas morreram e outras 13 ficaram feridas na manhã desta quinta-feira (7) na Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo, zona oeste do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. De acordo com a Polícia Militar, o ex-estudante da instituição Wellington Menezes de Oliveira, de 24 anos, invadiu o local por volta das 8h e disparou contra alunos.
Segundo o Corpo de Bombeiros, entre os mortos estão dez meninas, dois meninos e o autor dos disparos. Os feridos – dez meninos e três meninas – foram encaminhadas para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, Hospital Universitário Pedro Ernesto, Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia e Hospital Central da Polícia Militar. (Veja a lista dos mortos já identificados)
A direção da escola informou que o homem – que era um ex-aluno – se passou por um palestrante para entrar na instituição de ensino. A escola está completando 40 anos e algunsex-alunos têm ido ao local dar depoimentos aos atuais estudantes. Segundo testemunhas, Wellington estava com duas armas e munição profissional.
Ao chegar ao local, primeiro ele teria procurado uma professora que já tinha lhe dado aula no passado. Como não a encontrou, subiu para o primeiro andar, foi em duas salas do oitavo ano do Ensino Fundamental e efetuou disparos.
Com o início do barulho dos tiros, houve muita gritaria e os professores trancaram as portas das salas para proteger os alunos. Quando estavam indo para o segundo andar, o atirador teria se deparado ainda dentro da escola com um sargento da Polícia Militar. O soldado participava de uma blitz do Detro na região para apreender vans piratas quando foi avisado por duas crianças feridas. O policial teria pedido para Wellington se render. Como o mesmo não respeitou, o sargento deu um tiro no abdômen do suspeito. Logo depois, o atirador caiu e se matou com um disparo na cabeça. “A tragédia poderia ter sido pior”, avaliou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Duarte.
De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, 400 alunos do Ensino Fundamental com idades entre 9 e 14 anos estudam na escola municipal no turno da manhã. Por conta do ocorrido, a movimentação foi intensa na manhã desta quinta-feira em frente à instituição de ensino. A rua onde fica localizada a escola segue interditada e policiais militares do 14º BPM (Bangu) estão no local. Ainda não há informações sobre o que teria motivado o crime. O atirador não tinha antecedentes criminais.
O subprefeito da zona oeste, Edmar Teixeira, informou que Wellington deixou uma carta antes de praticar o crime. No documento, que foi entregue à Divisão de Homicídios da Polícia Civil, o homem relatou que era portador do vírus HIV. “Na carta, ele dava indícios de que era uma pessoa desequilibrada. Em alguns trechos, escreveu que não tinha mais vontade de viver e citou os nomes de alguns professores e alunos”, contou o subprefeito.
O carteiro Ercílio Antunes, de 44 anos, mora em frente à escola e estava indo para o trabalho quando o tiroteio teve início. “Ouvi muitos gritos e disparos. Logo depois, surgiram crianças correndo e entraram na minha casa, que estava com a porta aberta. Elas estavam chorando, amedrontadas e sujas de sangue. Pensei em ir ao colégio, mas ao ouvir mais disparos, eu voltei. Poderia ter sido outra vítima”, relatou.
*com reportagem de Raphael Gomide e Anderson Ramos, iG Rio de Janeiro