Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 06 de novembro

6.12.2011

 

CLIPPING

06 de dezembro 2011

 

MÍDIAS DE SANTA CATARINA

 

Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Elevado Rita Maria

 

Elevado Rita Maria será liberado amanhã

Obra deve melhorar a vida principalmente dos motoristas que entram na Ilha

O Elevado Rita Maria, em Florianópolis, será aberto ao tráfego de veículos a partir de amanhã, às 10h. A mudança vai beneficiar os motoristas que entram na Ilha e os que acessam o Elevado Dias Velho, ambos em direção à Avenida Beira-Mar Norte.

Segundo o secretário de Obras, Luiz Américo Medeiros, ainda vão faltar alguns acabamentos e melhorias no sistema viário.

Quando tudo ficar pronto haverá mais mudanças no trânsito. Quem trafega pela Avenida Beira-Mar e acessar o Centro poderá passar por baixo do Elevado Rita Maria. Hoje, o motorista precisa ir até o Túnel Antonieta de Barros para fazer o retorno.

Já quem trafegar pela Hoepcke poderá, novamente, entrar na Avenida Paulo Fontes. Hoje, esta opção não existe. Quem estiver na Paulo Fontes e quiser entrar na Beira-Mar poderá seguir direto. Hoje, quem trafega pela Paulo Fontes precisa entrar na Rua Henrique Vargas, acessar a Hoepcke até pegar a Beira-Mar.

 

Obra será entregue antes do encerramento do contrato

Um dos piores problemas no trânsito de Florianópolis é para quem entra na Ilha. A Via Expressa e outras ruas da região continental costumam ficar congestionadas. Para o doutor em Engenharia de Transporte José Leles de Souza, a obra vai apenas minimizar o trânsito na região continental. Ele alerta para dois possíveis problemas. Um é que pode haver engarrafamentos na saída do elevado.

– Quem sai da Ponte Pedro Ivo pega a faixa da direita para entrar na Rua Pereira Oliveira, só que o acesso ao elevado é na faixa da esquerda. Pode ocorrer um xis com os veículos que saem do Elevado Dias Velho e vão para o Centro. Para evitar problema, precisa de sinalização e orientação – alerta Souza.

Orçada em R$ 8,1 milhões, a obra será entregue antes do encerramento do contrato, previsto para junho de 2012.

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Geral

Assunto: Maré alta em Piçarras

 

 

Piçarras atingida de novo

A maré alta deste fim de semana trouxe mais prejuízos para o lado Sul da praia central de Balneário Piçarras que, desde setembro, quando uma sequência de ressacas atingiu parte do calçadão na Avenida Beira-Mar, vê a erosão mudar a paisagem.

A esperança de ter o cenário recomposto está na vinda de R$ 1,5 milhão do governo do Estado para a construção de molhes, que irão diminuir o impacto das marés.

– O recursos já estão certos. No máximo até a próxima semana, o convênio com o governo do Estado estará assinado. Assim que isso ocorrer, a obra começa – garante o secretário de Administração e Fazenda, Carlos Alberto Francisco.

A praia passará a ter dois molhes. Um deles ficará na continuidade da Rua Alexandre Guilherme Figueiredo, e o outro, na continuidade da Avenida Getúlio Vargas, ambas no Centro. Cada estrutura terá 160 metros de comprimento e 10 metros de largura. Para que o projeto seja concluído, o município investirá R$ 500 mil. A obra vai durar dois meses.

– O projeto está pronto. Com os molhes, a praia estará preparada para receber a tão esperada dragagem, que resolverá de vez o problema – finaliza Francisco.

A prefeitura alega que continua buscando junto ao governo federal os recursos para a intervenção, mas, por enquanto, nem sinal da liberação dos R$ 7,4 milhões necessários. Enquanto isso, no calçadão à beira-mar, as lajotas misturam-se com a areia. A caminhada ficou mais difícil.

– É triste ver isso aqui assim. Era tão linda a paisagem, que a caminhada, além de exercício, era lazer. Agora está até perigoso, porque há trechos que nos exigem andar pela beirada da rua – fala a turista de São Paulo, Ana Angélica de Feitas.

No lado Sul, as casas de veraneio na beira da praia ainda estão fechadas e preocupam aos que dependem da temporada para lucrar.

– Eu estou bem preocupado. Este ano eu sei que o lucro sairá do canto Norte da praia. Nesta parte destruída, não tem como aproveitar. Não tem areia, não tem calçada. Está bem difícil – desabafa o vendedor de picolé, Altamir Pereira dos Santor, 49 anos.

Para conter o afastamento dos turistas, a Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte investe na programação de verão. Haverá shows de bandas locais em três pontos da praia e fogos de artifício na virada de ano. Além disso, aulas de ginástica e outros esportes serão levados até a beira da praia

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Gerais

Assunto: Acidentes

 

Acidente será investigado

A jovem que morreu atropelada no último domingo, na Capital, foi identificada pela Polícia Militar Rodoviária (PMRv). A vítima foi Kamila de Lima Poyer, de 19 anos.

Ela caminhava às margens da rodovia na SC-401, perto da entrada para o bairro de Jurerê, quando teria sido atingida por um Audi.

 

O acidente de trânsito foi no km 7,6 da SC-401, a rodovia catarinense com maior movimento de veículos em todo o Estado. A PMRv ia encaminhar ainda ontem todas as informações sobre a autoria do atropelamento para a Polícia Civil.

De acordo com a PMRv, testemunhas afirmaram que o motorista trafegava no sentido praia-Centro quando atingiu a jovem..

 

Mortes já passam de 150 em 2011

Entre domingo e ontem, quatro pessoas perderam a vida na rodovia

De domingo até ontem de manhã, quatro pessoas morreram em acideste graves na rodovia BR-470. Na colisão de ontem, três pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida em um acidente no Km 196. Pelo menos 152 pessoas perderam a vida na rodovia em 2011, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

A batida, envolvendo um Corsa, de Lages, e um caminhão, de Pouso Redondo, ocorreu por volta das 7h, no trecho conhecido como Serra da Santa.

Celso Rogério de Jesus, 38 anos, Amarildo Borges de Oliveira Pimentel, 36, e Claudemar da Silva, 31, morreram na hora.

O quarto ocupante, Ivanildo de Liz Melo, 23, foi levado ao Hospital Regional Alto Vale, em Rio do Sul, com ferimentos graves, onde permanecia internado até ontem à noite.

A rodovia também registrou uma morte domingo à tarde, em Lontras. Natanael Pereira, 16 anos, era passageiro de uma moto com placas de Ibirama, conduzida por um adolescente de 17 anos, que teve ferimentos graves. Pereira chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

 

Sete ficam feridos em colisão de dois carros

A moto em que os adolescentes estavam, segundo a PRF, foi atingida por trás por um Uno de Pouso Redondo no Km 126,9.

Ainda no domingo à tarde, uma colisão entre um Corsa e um Cross Fox, ambos com placas de Ibirama, deixou sete pessoas feridas no km 106 da BR-470, em Apiúna.

Todas as vítimas tiveram ferimentos leves e foram conduzidas aos hospitais da região.

O trânsito ficou interrompido no local nos dois sentidos por uma hora e 45 minutos até que as vítimas e os veículos foram retirados.

 

Criança atropelada na Capital

Em menos de duas horas, três acidentes de trânsito com vítimas fatais foram registrados entre o final da manhã e o início da tarde de ontem, na Grande Florianópolis. Uma das vítimas era uma criança de um ano e meio de idade, que foi atropelada no Balneário do Estreito, no Continente.

De acordo com a Polícia Militar, o acidente aconteceu quando a criança saiu correndo pelo portão da casa da babá e atravessou a rua.

– Ele era muito inteligente e hiperativo, não parava quieto. Não podia ficar sozinho – desespera-se a mãe Edília Nunes de Souza.

 

Bento era fruto de seu segundo casamento e, desde que o relacionamento terminou, Edília batalhava para se sustentar sozinha e cuidar do filho, com quem morava numa casinha alugada.

– Ele era o bebê da casa, sempre cheiroso. Rodei todas as creches do Estreito tentando conseguir uma vaga, com ele no colo. Às vezes saía chorando, humilhada, porque ninguém aceitava o meu filho – desabafa.

O segundo acidente aconteceu às 12h25min, na Rua Antônio Jovita Duarte, no Bairro Forquilhas, em São José. O marmorista Maicon da Silva, 28 anos, estava a caminho de casa para almoçar quando perdeu o controle da moto, caiu na pista e foi atropelado por um fusca. Segundo a Polícia Civil, Maicon trafegava pelo corredor entre carros quando bateu com o guidom da motocicleta no espelho retrovisor de um veículo e se acidentou. O motorista do fusca parou para prestar socorro, mas o motociclista morreu na hora.

Meia hora depois, perto das 13h, um carro capotou na Avenida das Torres, no Bairro Jardim Zanelato, vitimando uma terceira pessoa. Até o fechamento desta edição, a Polícia Civil ainda não havia divulgado o nome da vítima ou as causas do acidente.

 

Operário morreu ao operar bate-estaca

Por volta das 8h30min de ontem, um trabalhador morreu em um acidente com um bate-estaca, em Canasvieiras, Norte da Ilha, em Florianópolis. Antônio Loreci de Oliveira, de 46 anos, operava a máquina em uma obra dentro de um terreno às margens da rodovia SC-401, quando a estaca do aparelho se soltou e atingiu a cabeça do trabalhador. Segundo informações da Polícia Militar, o operário teve a cabeça esmagada e morreu ainda no local. Técnicos do Instituto Geral de Perícia (IGP) foram ao local para averiguar se houve falha humana ou mecânica. A polícia vai aguardar este parecer para definir se há necessidade de investigação.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Diário do Leitor

Assunto: Agradecimento à Guarda Municipal

 

Ministro na fila

Gostaria de parabenizar a Guarda Municipal de Florianópolis, em especial o guarda Brasil, por ter devolvido a Praça Pio XII, na Lagoa da Conceição, às pessoas de bem, inibindo o uso constante de drogas naquele local. Sugiro que façam o mesmo trabalho no Parque da Luz.

Marcelo Ribeiro – Advogado

Florianópolis

____________________________________________________________________________Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Moacir Pereira

Assunto: Assassinato do vereador

 

O crime e as eleições

O assassinato do vereador Marcelino Chiarello, do PT, na cidade de Chapecó, continua produzindo fatos políticos no Oeste. Uma manifestação política, com adesão comunitária, aconteceu ontem com caminhada silenciosa pela avenida central, presentes os principais dirigentes partidários de Santa Catarina, representantes do diretório nacional do partido e lideranças comunitárias e religiosas. Com camisetas pretas em homenagem ao professor morto, os participantes encerraram o evento com um ato e discursos na frente da Câmara Municipal, onde Chiarello trabalhou durante sete anos. Entre as instituições presentes, diretores da Ordem dos Advogados e da Associação Comercial e Industrial de Chapecó.

Os oradores destacaram as qualidades profissionais e políticas do vereador e apelaram por investigações rigorosas da polícia para a punição dos criminosos.

O presidente estadual do PT, José Fritsch, participou da manifestação e enfatizou que todos os indícios e circunstâncias são de que houve crime político. Aguardará, contudo, o resultado do inquérito policial. Os petistas que acompanham o caso desde o início estão confiantes no trabalho realizado por uma equipe de policiais estaduais.

O PT tem movimentado seus dirigentes e parlamentares em torno da tese de crime político. A reunião do diretório estadual ampliada, marcada para o próximo sábado, dia 10, foi transferida de Florianópolis para Chapecó, justamente em função da morte de seu vereador. A pauta é essencialmente política. O partido vai definir atividades sobre as eleições municipais de 2012, as alianças nas principais cidades e fazer uma avaliação sobre o andamento das investigações sobre o caso Chiarello.

Os dirigentes e parlamentares do PSD, um dos partidos mais criticados pelo vereador assassinado, também se incorporaram aos pedidos do PT para que tudo fosse rigorosamente apurado. Declarações neste sentido partiram do prefeito José Caramori, do secretário, deputado federal e ex-prefeito João Rodrigues, entre outros, que também estão pedindo justiça.

Foi iniciada uma campanha intitulada “Chapecó em defesa da vida, com justiça e democracia”.

As hipóteses de crime passional ou comum, veiculadas a partir de Chapecó, neste momento são contestadas pelos dirigentes petistas.

 

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Protesto por assassinato do vereador

 

Protesto pede justiça em Chapecó

Oito dias após o vereador Marcelino Chiarello (PT) ter sido encontrado morto em sua casa, em Chapecó, a cidade parou para o ato público Chapecó em Defesa da Vida, por Justiça e Cidadania.

Cerca de 2 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, e 3 mil, segundo os organizadores, vestiram preto, algumas com a foto do vereador, e caminharam da Catedral Santo Antônio até a Câmara de Vereadores.

Entidades sindicais, movimento sociais, universidades, entidades de classe e associações de moradores levaram cartazes nos quais pediam um basta à violência e punição aos criminosos. O deputado federal Pedro Uczai (PT) disse que o ato é de indignação, pela justiça e cidadania. A deputada estadual Luciane Carminatti, ex-colega de Marcelino na Câmara, chorou.

Entre as lideranças estaduais e nacionais do PT, estava o secretário geral do diretório nacional, Elói Pietá. A morte do vereador gerou bate-boca entre as lideranças do PT e PSD nas rádios locais. Marcelino era um opositor ferrenho da atual administração e o PT considera que o crime foi político. Na semana anterior à morte do vereador o superintendente da Efapi, Dalmir Pelicioli, pediu exoneração antes de ser afastado judicialmente, numa denúncia de Marcelino em relação a subvenções sociais.

 

Para Pelicioli, PT está sendo injusto

Pelicioli, que voltou a exercer seu mandato na Câmara, disse que o PT tem sido injusto com ele pois só faltou dizer seu nome como suspeito em algumas manifestações. O presidente do diretório municipal do PSD, João Rodrigues, afirmou que o presidente municipal do PT, Pedro Uczai, foi precipitado e que o PT está transformando a tragédia num embate político.

– O ato teve pessoas que buscam a justiça mas também teve um cunho político por parte de seus organizadores – disse Rodrigues.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Política

Assunto: Presidente do TJ será conhecido amanhã

 

Presidente do TJ do Estado será conhecido amanhã

Diferentemente da última eleição, que teve empate, o atual pleito promete ser menos acirrado

Os desembargadores catarinenses preparam-se para eleger o novo presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. A escolha ocorrerá na sessão de quarta-feira e três magistrados podem concorrer. Diferentemente da última eleição, que terminou empatada, a tendência desta vez é que a disputa seja menos acirrada.

O processo que terminou com a eleição do atual presidente José Trindade dos Santos foi, desde o início, marcado por um clima de divisão interna. Esta situação ficou evidente no resultado inédito: empate em 25 votos dentre os 50 desembargadores do pleno.

Agora, a situação parece ser bem diferente. Nos bastidores, a avaliação é de que a eleição será bem mais tranquila, com um dos candidatos eleitos pela maioria.

Internamente, o sentimento é de que existe um trabalho forte no sentido de unir os desembargadores.

A lei estabelece que podem concorrer os três desembargadores mais antigos, exceto aqueles que já ocuparam o cargo de presidente. Por estes critérios, estão credenciados Carlos Prudêncio, José Gaspar Rubik e Cláudio Barreto Dutra.

 

Candidatos não são obrigados a concorrer

Estes magistrados não são obrigados a concorrer, sendo que se algum deles abrir mão da candidatura, o quarto mais antigo pode entrar na disputa. Neste caso, o beneficiado seria o desembargador Newton Trisotto, que foi quem concorreu com Trindade dos Santos em 2009. Na época, o atual presidente acabou ficando com o cargo por ser o mais antigo na carreira.

 

Naquele ano, tanto Prudêncio quanto Dutra abriram mão de concorrer. Agora, se especula que Prudêncio sairia novamente da disputa. Uma das principais razões seria o processo que ele responde no Conselho Nacional de Justiça pelo envolvimento em prostituição de menores e tráfico de influência.

 

Como será a eleição

– Pelo regimento, a eleição para presidente deve ocorrer sempre na primeira sessão do pleno do mês de dezembro, no dia 7

– Podem concorrer os três mais antigos, exceto aqueles que já foram presidente

– São sempre três candidatos, porque a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman) determina que o número de candidatos deve ser igual ao número de cargos em disputa.

– Normalmente, a eleição é o primeiro ponto da pauta. O presidente abre a sessão, comunica a realização da votação e pergunta aos três mais antigos se eles têm disposição de se candidatar

– Se algum deles abrir mão da disputa, pode concorrer o quarto mais antigo, no caso, o

desembargador Newton Trisotto

– O voto é secreto. Havendo empate, é escolhido o mais antigo na carreira

– O novo presidente comandará o TJSC no período de dois anos

__________________________________________________________________________ Veículo: Diário do Catarinense

Editoria: Informe Político

Assunto: Questão salarial

 

Um projeto e suas repercussões

O projeto do governo do Estado que concede a incorporação de abonos e gratificações a servidores da segurança pública e aos agentes penitenciários e socioeducativos da Secretaria de Justiça e Cidadania chegou, ontem, à Assembleia, em meio a um intenso movimento de bastidores. O presidente da Associação dos Delegados (Adepol), Renato Hendges, esteve à tarde no Palácio Barriga Verde para conversar com o líder do governo, deputado Elizeu Mattos (PMDB).

Hendges, que assumiu uma liderança do movimento entre todos os segmentos da Polícia Civil, ouviu que os pedidos da categoria serão levados ao governador. Elizeu recebeu também representantes da Polícia Militar. A corporação não aceita tratamento diferente dos civis e está marcada uma assembleia para amanhã, na sede da Associação Barriga Verde de Oficiais, na Capital. Para o deputado, houve evolução no contato com os militares.

As decisões da Adepol, unidas ao Sintrasp e ao Sinpol, já foram desenhadas. Um mandado de segurança coletivo será impetrado no Judiciário para impedir o remanejamento dos profissionais para a operação veraneio. Nem Hendges acredita nos resultados da medida, mas alega que de onde saírem haverá falta de pessoal. Outra medida judicial pedirá a imediata incorporação dos abonos e gratificações aos delegados, fato que tem uma série de decisões favoráveis nos tribunais em Joinville e outras comarcas.

As manifestações dos policiais, em que 30 deles empunhavam cartazes e faixas na visita do governador Raimundo Colombo a Lages, ontem, aumentrão. Em paralelo, existe o temor de um enquadramento disciplinar no setor. Quem se manifestou na rede interna da Segurança Pública favorável à continuidade do movimento salarial começou a ser intimado pela Corregedoria da Polícia Civil. Já são vários casos, confirma Hendges, sem adiantar números.

O presidente da Assembleia, deputado Gelson Merisio, que fez um primeiro contato com o presidente da Adepol, disse que não vê problema em atuar como mediador, papel que desempenhou durante a greve do magistério. Mas admite que, em determinadas situações, a ajuda pode ser mais eficaz se ficar quieto.

 

 

VELHOS COMPANHEIROS

À saída do encontro da cúpula do PDT com o presidente licenciado Carlos Lupi (à direita), ontem, em Brasília, houve um momento em que o ex-ministro do Trabalho e Emprego se dirigiu ao secretário da sigla, o catarinense Manoel Dias (à esquerda). Lupi balançou tudo o que deu e pediu para sair. Reassumirá o comando das hostes brizolistas só em fevereiro, depois de recarregar as baterias. Durante o encontro, o PDT decidiu permanecer na administração de Dilma Rousseff, com ou sem ocupar cargos. Maneca afirmou que uma comissão será nomeada para debater com a presidente como ficará a relação do Palácio do Planalto com o partido, que ainda considera injustos os ataques a Lupi.

 

 

Sufoco

Elizeu Mattos se reuniu com os demais líderes da base e também conversou com representantes da Fazenda, que foram à Assembleia pedir pelo aumento da gratificação de R$ 3 mil para R$ 6 mil, vetada no projeto do Centro Administrativo, que está na casa. Não foram os únicos a reclamar vantagens: o pessoal da Procuradoria Geral do Estado, do Iprev e da Administração também pede uma gratificação prometida há anos e que não veio.

Se juntar com o contato com os policiais civis e militares, a quem Elizeu pediu cautela e para que as portas de negociação não sejam fechadas, bem como as janelas, foi um dia daqueles.

 

 

Protesto

As declarações do ex-governador Luiz Henrique (PMDB) de que manteria a política de abonos foi alvo de duras críticas de servidores. Para fugir de eventuais punições, um delegado de polícia se valeu do anonimato para afirmar que, há 10 anos, quando prestou concurso, de fato o salário era o segundo melhor do país, mas hoje é o penúltimo.

Edileuza Garcia Fortuna – do Hospital Florianópolis por 17 anos –, secretária do Sindsaúde, e Pedro Paulo das Chagas – do Hospital Infantil há 32 anos –, presidente da entidade, reclamam da declaração de Luiz Henrique de que os sindicalistas ganham os maiores salários. Enviaram os contracheques para provar que o ex-governador está “desinformado”.

____________________________________________________________________________ Veículo: Diário Catarinense

Editoria: Polícia

Assunto: Redução da maioridade penal

 

Redução da maioridade em debate

Em vez de redução da maioridade penal, uma reeducação de adolescentes eficaz. Esta é a sugestão que será encaminhada ao Senado Federal, em documento elaborado ontem, na audiência pública promovida pela Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa.

 

O documento, que também será enviado ao governo do Estado, resume a opinião das lideranças em segurança pública e assistência social de SC. Juízes, promotores, delegados e associações de bairros da Grande Florianópolis estavam no debate.

Entre as ações sugeridas estão o envolvimento da Secretaria da Educação nas ações com adolescentes, construção de locais adequados para a detenção de jovens infratores e políticas públicas de emprego e renda.

Para os participantes da audiência, a redução não diminuiria o número de casos de menores no crime em SC. Pesquisa do Ibope revelou que 75% dos brasileiros são favoráveis.

– Compreendo quem defende que a redução seria eficiente, mas não é – afirmou a delegada Juliana Gomes.

O juiz Alexandre Takashima, coordenador de Execução Penal do Tribunal de Justiça, considera que os índices de criminalidade representam um pedido de ajuda dos menores.

– Não adianta construir hospital se não há médicos ou sistema de prevenção. Com o adolescente infrator é a mesma coisa, tem que ter uma rede de ações que realmente funcione.

 

 

Três fogem do presídio da Capital

Três detentos fugiram e outro tentou escapar do Complexo Prisional de Florianópolis entre a noite de domingo e a madrugada de ontem. Foi a segunda ocorrência em menos de quatro dias no local.

Os detentos abriram um buraco na parede de uma celas da ala conhecida como Casa Velha, na penitenciária. Três chegaram ao pátio e conseguiram fugir. Até o fechamento desta edição, Eduardo Aguiar de Almeida, Samuel Lino da Rocha e Daniel de Lima Pedroso seguiam foragidos. As circunstâncias serão apuradas.

Também de manhã, quando os agentes colocavam os presos no pátio, um detento tentou escalar a cerca, mas acabou detido. O diretor da penitenciária, Délio José Guerra, as paredes da Casa Velha são mais frágeis.

Essa foi a segunda fuga em quatro dias. Na sexta-feira, João Van Robert escalou a cerca, acessou o pátio externo e escapou. Ele continua foragido.

 

 

 

BLOGS

 

 

Paulo Alceu

 

Reação 1 0

Mais um foco de descontentamento entre as categorias que formam a segurança pública. Os oficiais da PM reagiram ao saber que os policiais civis terão um ganho real diferente e superior ao dos militares. Ou seja, estaria havendo distinção entre as classes? Amanhã acontece uma assembleia para rediscutir a campanha salarial.

 

Reação 2

Na verdade, segundo dados do governo, trata-se de uma gratificação de 5% que já é concedida aos oficiais. Os delegados recebem 2%. Passarão a 5% com reajuste de 1% ao ano. A reclamação é de que quanto ao valor os delegados, embora com o mesmo percentual, ganharão mais. Com essa linha de pensamento fica difícil.

 

Moacir Pereira

 

Projeto da segurança já está na Assembleia

O projeto de lei que trata da incorporação dos abonos dos policiais civis e militares já se encontra na Assembleia Legislativa. Deverá ser lido na sessão de amanhã e iniciará a tramitação nas comissões. Em princípio, deverá ser indicado relator o deputado José Nei Ascari, do PSD.

 

Oficiais da PM descontentes

Nova nota divulgada pela Associação dos Oficiais Militares de Santa Catarina confirma a assembleia estadual para quarta-feira, mas revela insatisfação com manifestação do secretário Miltom Martini. Confira:

“A Associação dos Oficiais Militares de Santa Catarina está sendo pega de surpresa pela divulgação das declarações do Secretário Milton Martini, afirmando que os Policiais Civis receberão ganho real diferente dos Militares Estaduais. Os militares estaduais continuam acreditando na palavra do Governador Raimundo Colombo, que garantiu, por diversas vezes, que não haveria distinção entre as classes da Segurança Pública, inclusive em contatos telefônicos com o presidente da ACORS. Para decidir sobre os próximos passos da campanha salarial, será realizada uma Assembleia no dia 07 de dezembro (quarta-feira) às 19h30, na sede da Associação Barriga Verde dos Oficiais, na Trindade. O acordo de resultados dos bombeiros e policiais militares é dar a vida pelo cidadão catarinense, ressalta o Cel Fred Schauffert, presidente da ACORS.

 

 

Roberto Azevedo

 

Delegado desabafa sobre a política de abonos

As declarações do ex-governador Luiz Henrique (PMDB), hoje senador, de que não mudaria nada na política salarial de suas duas administrações no Estado, gerou a manifestação de um delegado de polícia de Santa Catarina. Para não sofre punições disciplinares, o delegado pediu o anonimato, mas as ponderações podem ser repartidas com os leitores do blog. Acompanhe:

 

Sr. jornalista,

a respeito de suas notas “Abono 1” e “Abono 2”, da edição de hoje (nesta segunda-feira ) do Diário Catarinense, o qual leio diariamente, tenho alguns comentários a tecer:

O Senador Luiz Henrique não está mentindo quando diz que “deixou a Polícia Civil com a segunda melhor remuneração do país para a categoria”. Ele só esqueceu de mencionar que o fez em 2003! Há quase 8 anos.

 Ao sancionar a Lei 254/2003, aglutinando diversos penduricalhos aos vencimentos das categorias da Segurança Pública, ele realmente deixou a Polícia Civil dentre as melhores remuneradas no país.

 Porém, esqueceu-se da obrigatoriedade de revisão anual geral. Além de ter atendido “milagrosamente” algumas outras categorias.

 Além disso, ao afirmar sobre as “vantagens” do abono, esqueceu-se que em 2005, numa atitude de tirano, simplesmente determinou o bloqueio de metade das horas-extras dos Delegados e Oficiais! Ou seja, continuávamos fazendo 40 (ou mais) e só recebíamos 20!!! Esse fato durou por mais de um ano. Mesmo caso dos abonos, os quais podem e são retirados da folha a qualquer tempo.

 Quando prestei meu primeiro concurso para a Polícia Civil de Santa Catarina, há 10 anos, realmente um Delegado ganhava o 3º melhor salário do país! Isso, 10 anos atrás. Já quando fui aprovado, em 2005, já estávamos na metade do rol de salários do Brasil… Hoje, vergonhosamente, ocupamos a penúltima posição!

 Obrigado pela atenção.