Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 04 de abril

4.4.2011
CLIPPING
04 Abril 2011
 
MÍDIAS DE SANTA CATARINA
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Acidente na beira-mar
 
Carro capota e cai no mar
O veículo, que tinha dois ocupantes, de 18 e 16 anos, ficou submerso nas águas da Baía Norte
Um Audi A3 vermelho capotou e caiu no mar na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis, por volta das 2h da manhã de domingo. O passageiro, 16 anos, passa bem. O motorista, Vinícius Kiametis, 18 anos, estava internado em estado grave no Hospital Celso Ramos.
Ontem, quem passava pela avenida não conseguia desviar os olhos das rodas do carro viradas para cima, boiando sobre o mar. Parte da traseira do veículo, que tem placas de Londrina, no Paraná, ficou entre as pedras que antecedem o mar.
Na pista, as marcas de freio riscam o asfalto da pista de dentro até a grama que separa a avenida da ciclovia. As marcas da tentativa de frenagem também eram visíveis no canteiro antes das pedras.
– A gente estava terminando a festa quando escutamos um barulho de freio e um estrondo muito alto. Fomos até lá – conta o pescador João da Silva, que participava de um encontro em um rancho próximo do local.
Segundo os bombeiros, apesar das tentativas de frear, o carro capotou antes de cair ao mar. Ambulâncias do SAMU e uma embarcação do Grupo de Busca e Salvamento (GBS) do Corpo de Bombeiros se deslocaram até o local e, com a ajuda de pessoas que se jogaram ao mar para salvar as vítimas, retiraram os dois jovens do carro.
 
Motorista teve de ser reanimado no local
Vinícius Kiametis ficou preso dentro do carro pelo cinto de segurança e totalmente submerso. Foi resgatado e trazido à tona inconsciente e com parada cardiorrespiratória.
Os paramédicos o reanimaram ainda no local e o conduziram ao Hospital Celso Ramos. Ele estava, até a noite de ontem, em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Celso Ramos.
De acordo com testemunhas, o outro passageiro, que estava em estado de choque, sofreu apenas alguns arranhões. Vinícius é estudante do curso de Engenharia de Controle e Automação na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
De acordo com os bombeiros, antes do incidente os dois rapazes estavam em uma festa de trote do Centro Tecnológico na UFSC.
Destroços do automóvel continuavam boiando no mar. O veículo não foi periciado porque, conforme o Instituto Geral de Perícias (IGP), a solicitação de perícia e retirada do veículo deve ser feita pelo dono.
 
“Ninguém entrava para ajudar”
Dezenas de pessoas pararam para ver o carro que caiu na Baía Norte na madrugada de sábado para domingo. Mas só duas, além da equipe de salvamento, teriam entrado na água para ajudar no resgate do jovem que ficou preso. Um dos voluntários foi um pescador. O outro foi o cabo da Cavalaria da Polícia Militar, Fábio Silva, 49 anos, que também estava na festa no rancho dos pescadores da qual João da Silva participava quando ouviu o barulho do acidente.
– Ninguém entrava para ajudar. Mesmo não sendo especialista, não nadando há muito tempo e tendo tomado umas cervejas, resolvi entrar. Durante 20 minutos, mergulhei e subi tentando encontrar a pessoa lá embaixo. Estava frio e escuro – lembra.
O militar chegou a encostar no corpo do jovem. Forçou para tentar tirá-lo, mas a porta estava emperrada. Só o que conseguiu foi agarrar-se a uma das pernas da vítima.
Na manhã de domingo, o PM – morador de Barreiros, no Continente – virou uma espécie de porta-voz informal, contando detalhes às pessoas.
– De manhã, acordei cedo e já liguei para o hospital para saber como estava o rapaz.
Esta não é a primeira vez que o militar é destaque nos jornais. Em maio de 2009 ele foi assunto de reportagem no DC por colecionar LP’s raros do cantor Roberto Carlos. Desta vez, além de cuidadoso e detalhista, o policial revelou outra virtude: a coragem.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: PM que socorreu bebê engasgado há dois anos reencontra a criança
 
PM que socorreu bebê engasgado com leite há dois anos reencontra a criança e a mãe em SC
A criança se afogou durante a amamentação quando tinha apenas sete dias de vida
Pedro Rockenbach | pedro.rockenbach@diario.com.br
Se Deus escreve certo por linhas tortas, no dia 3 de abril de 2009, há exatos dois anos, ele rabiscou alguns traços numa rua simples do Bairro dos Municípios, em Balneário Camboriú, quando uma jovem de 21 anos saiu tropeçando sobre as pernas pela porta do número 747 em direção à calçada.
Desesperada e aos berros, suplicava por socorro, por um milagre. Com apenas sete dias de vida, a filha da mulher engasgara-se durante a amamentação e parara de respirar. A criança foi salva e reencontrou o seu herói, pela primeira vez, na última sexta-feira.
Naquele dia, três policiais abordavam cinco homens suspeitos de tráfico de drogas no momento em que escutaram os gritos da mãe Luana Tatiana Palmeira de Castro. Os soldados Denício Francisco Rosa, 24 e Agostinho Tadeu Vieira, 41, largaram o terceiro companheiro e partiram em apoio à recém-nascida Djenifer Castro Ferreira, de 47 cm e apenas 2,9 quilos.
— Ela estava em estado grave, toda roxinha, havia parado de respirar e desmaiou — descreveu Denício.
Nenhuma ambulância poderia atender rapidamente a ocorrência pois estavam ocupadas. Coube aos dois decidir o futuro da criança. Os quatro embarcaram na viatura rumo ao hospital.Ao comando do volante, Denício acionou sirenes, giroflex, buzina, pediu — por meio de rádio — apoio para liberar as ruas e avenidas.
::Ouça a comunicação por rádio entre os policiais a caminho do hospital
— Só faltou botar a cabeça para fora e berrar — brincou.
No banco de trás, Tadeu trazia a menina ao colo, e a mãe batia na cabeça do motorista implorando pressa num carro que andava a mais de 100 km/h. Tadeu fez massagem cardíaca e respiração boca-a-boca, sem resultado.
— Se soprando não vai, tentar sugar — orientou Denício.
Na segunda sucção, veio para fora o leite, e a minha chegou chorando ao hospital. O choro que para todos foi um grande alívio. A rapidez e a eficiência do socorro salvaram a vida da menina. Oito minutos passaram-se entre os primeiros berros da mãe e o atendimento hospitalar. Não é exagero dizer que aquela inesperada manhã provocou marcas permanentes em todos. Ao reencontrar Luana e Djenifer, pela primeira vez após dois anos, Denício segurou o choro.
— Ao encararmos situações tristes, como uma pessoa que morre, penso nessa situação para começar a trabalhar de volta e ver que vale a pena viver. Não sei até quando continuarei na polícia, ou para onde vou, mas sei que pelo menos uma vez na vida salvei alguém, e esse alguém valeu a pena. Nunca mais sairá da memória.
A menina tímida, de cabelos cacheados, ganhou de Denício uma boneca nova. A idade ainda não permite a pequena entender o motivo do presente — a comemoração do segundo aniversário do salvamento.
— Este é mais importante que o oficial — definiu a mãe.
Em troca, o policial pediu uma boneca velha de Djenifer para guardar uma lembrança boa do trabalho nas ruas, um amuleto da sorte. O reencontro também serviu para aliviar Luana, que cobrava-se por, até então, nunca ter encontrado novamente os heróis para um agradecimento mais formal.
— Os dois são os anjos da guarda da vida dela. Eles vieram aqui para rua por uma coisa ruim e acabaram salvando a minha filha. Deus colocou os dois na minha vida porque Ele escreve certo por linhas tortas.
O Policial Militar Agostinho Tadeu Vieira, 43, não pode comparecer ao encontro. Por telefone, conversou com a reportagem do DC e relembrou aquela manhã:
— Eu tenho dois filhos que também tiveram problemas de refluxo. Então, isso me deu mais tranquilidade para ajudar. Ela estava quase em falência, sem sinais. A gente tentou contato com as ambulâncias, mas todas encontravam-se em ocorrência. Aí, decidimos que era com a gente mesmo — conta.
— Precisávamos fazer alguma coisa, se não todo trabalho seria em vão. No caminho ao hospital, pedimos para a Central de Operação da Polícia Militar apoio para desobstruir as ruas. Aí, fiz os procedimentos para desengasgar a menina. Só a fato de ver uma mãe te olhar nos olhos e dizer muito obrigado já é gratificante. Hoje em dia é difícil ver alguém olhar para o policial dessa forma.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Ataque a base da PM
 
Outro ataque a base da PM
Uma mulher, na garupa de uma moto, deu sete tiros contra a base da Polícia Militar (PM), em Canasvieiras, Norte da Ilha, na madrugada de domingo. Ela usou uma pistola calibre .45, exclusiva das Forças Armadas e da Polícia Federal.
Os tiros pegaram no parabrisa e no vidro traseiro de uma viatura que estava estacionada em frente à base. Uma das balas atingiu a parede externa do posto, na entrada do bairro.
– O policial de plantão estava saindo do banheiro quando a mulher começou a atirar. Ele não se feriu. Disse que ficou em choque, parado na porta do banheiro – contou um policial.
Ele disse que a moto era preta e entrou na Avenida das Nações, pelo lado da Cachoeira do Bom Jesus.
Este foi o segundo ataque a bases da PM da Capital em três dias. Na sexta-feira, uma bomba caseira explodiu no posto de Coqueiros.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Viatura da PM é atingida por tiros
 
Viatura atingida por tiros
Uma viatura da Polícia Militar (PM) foi atingida por tiros, no Morro do Quilombo, no Itacorubi, em Florianópolis, por volta das 16h30min de ontem. Ninguém ficou ferido. O helicóptero Águia deu apoio à viatura atingida e dois homens suspeitos foram levados para a delegacia.
A polícia não soube informar quantos tiros nem o calibre da arma usada pelos bandidos do Quilombo, que segundo a PM, servem de mão de obra para os traficantes do Saco Grande, no Norte da Ilha. O traficante foragido Aldomir Paim, líder do tráfico no Morro da Pedra de Listra, no Saco Grande, estaria escondido no Quilombo, de acordo com a PM. A assessoria de comunicação da corporação não confirmou que a viatura foi atingida.
No final da manhã, um homem havia sido assassinado no morro. Cleiton Fernando dos Santos, 20 anos estava a pé, na Rua da Represa, quando foi cercado por quatro homens armados e a pé. A polícia informou que Cleiton foi executado com pelo menos oito tiros de calibre 38, inclusive na cabeça. Cleiton tinha passagem por porte ilegal de arma e ligação com o tráfico de drogas, de acordo com a polícia. Até as 17h, ninguém tinha sido capturado.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Homem morre afogado na praia Mole
 
Homem morre afogado na praia Mole em Florianópolis
Vítima teria mergulhado em parte rasa, mas o mar estava perigoso
Um carpinteiro que trabalha nas obras do cinema do Beiramar Shopping morreu afogado neste domingo, por volta das 16h, na praia Mole, Leste da Ilha.
Luiz Carlos Lima Pereira, 34 anos, entrou no mar, a cerca de 300 metros do posto guarda-vidas, mergulhou na parte rasa, com a água na altura dos joelhos, e segundos depois, emergiu boiando, de acordo com os bombeiros e seu colega de trabalho, Wanderson Vianna.
— Ele estava bem. Almoçamos no alojamento e viemos brincando no ônibus — contou Wanderson, que disse que Luiz Carlos sabia nadar.
De acordo com os bombeiros, o carpinteiro saiu da água inconsciente e, apesar das tentativas de reanimá-lo, morreu na areia.
Bandeiras vermelhas ao longo da praia indicavam que o mar estava perigoso.
— O mar está puxando, mas disseram que ele estava no raso. Será que ele bateu a cabeça? — questionou um surfista que se preparava para cair na água.
Por volta das 16h40, o Instituto Médico Legal recolheu o corpo de Luiz Carlos, que era natural de Poá, São Paulo, e segundo o colega Wanderson, era casado e tinha dois filhos
 
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crimes e ocorrências
 
Horas de terror em casa de Blumenau
Bandidos invadiram residência à procura de cofre e renderam moradores
Oito pessoas, entre elas uma criança de quatro anos, ficaram reféns das 10h às 12h15min de sábado, sob a mira das armas de três bandidos, no Bairro Itoupava Norte, em Blumenau.
No segundo andar, onde funciona uma agência de turismo, documentos e móveis foram mexidos, à procura de um cofre inexistente. Este foi o terceiro assalto sofrido pela família na casa.
– Eles tiveram muita paciência para agir, sabiam o que queriam – disse Renata Grabner, 54 anos, que estava em casa com o marido Adulcio, 53, quando a agonia começou.
O casal contou que um homem bateu palmas em frente ao portão, interessado em comprar passagens e fazer uma consulta de viagem. Renata prendeu os 11 cães da família e pediu para o suposto cliente entrar. Foi quando mais duas pessoas apareceram, anunciando o assalto. Adulcio foi acordado pela mulher, que gritava. Um dos bandidos entrou no quarto e, apontando a arma, disse:
– Tio, acorda! É um assalto.
O assaltante colocou um colchão no chão e pediu que ele se deitasse, quieto. Ele teve pernas e braços amarrados com pedaços da cortina, assim como a mulher e uma vizinha de 14 anos. Outros cinco parentes e vizinhos apareceram para visitar o casal e também viraram reféns.
Os bandidos deixaram a casa toda revirada. Sem encontrar o cofre com dinheiro, levaram netbook, notebook, faqueiro, filmadora, câmera digital, um par de sapatos novos, TV LCD e o Peugeot 207 SW prata. Dentro do carro, estavam uma mala com documentos e uma Bíblia.
– Tantos anos que eu levei para estudar e sublinhar minha Bíblia e agora eles levaram ela junto – lamentou o empresário, que também é pastor.
Ao fugir, os ladrões pediram para que todas as vítimas ficassem paradas por 20 minutos. Alessandra, que conseguiu esconder o celular na bolsa, se desamarrou e acionou a PM.
– Eu consegui desamarrar meus pés e pegar o celular na bolsa. Conseguimos ligar para a polícia, que logo veio, mas os bandidos já tinham ido embora – contou Alessandra May, uma das reféns.
 
Médico usa faca em tantativa de suicídio
O médico Fernando César Buchen, preso sexta-feira em Gaspar por atentado ao pudor, está internado no Hospital Santa Isabel, em Blumenau. Ele se feriu sábado, no Presídio Regional, com uma pequena faca usada para as refeições. Como estava numa cela especial, ele tinha acesso a talheres. Os ferimentos no pescoço e no peito foram superficiais e não chegaram a atingir nenhum órgão.
 
Adolescente achada morta pela polícia
Por volta das 19h de sábado, a Polícia Militar de Itajaí encontrou uma adolescente de 17 anos morta com seis tiros. Ela estava caída em um galpão abandonado no Bairro Imaruí. O irmão da adolescente reconheceu o corpo e contou aos policiais que a vítima era usuária de drogas. As investigações já começaram, mas até a noite de ontem, nenhum suspeito do crime havia sido preso.
 
 
Jovem é assassinado na Fazenda do Max
Jovane de Souza, 17 anos, foi morto com diversos tiros por volta das 23h30min de sábado, no Bairro Fazenda do Max, em São José, na Grande Florianópolis. O adolescente estava na Rua Benjamin Gerlach, em frente ao bar Tico e Teco, quando dois homens se aproximaram e atiraram. A polícia não informou quantos tiros nem o calibre da arma utilizada pelos assassinos. Ninguém foi preso.
 
BLOGS
 
Paulo Alceu
 
Insegurança
Sobram reclamações de moradores de Balneário Camboriú acusando a polícia de ser eficiente na aplicação de multas de trânsito criando inclusive uma espécie de indústria da multa enquanto a insegurança se estabelece. Muitos se sentem desprotegidos diante da escalada de roubos e assaltos movidos principalmente pelas drogas.
 
Reforma Política
Na última reunião foi aprovado pela Comissão Especial da Reforma Política o sistema eleitoral denominado de sistema proporcional com lista fechada. Claro que ainda há um longo trajeto. Vai para a Comissão de Constituição e Justiça, depois ao plenário do Senado, onde certamente sofrerá emendas, e desembarcará posteriormente na Câmara. O que significa isso? Trata-se de um conjunto de regras para que seja interpretado os votos computados. Atualmente o Brasil utiliza o sistema proporcional com lista aberta. Ou seja, o eleitor vota em um candidato ou partido. Para eleições para presidente, governador, senador e prefeito o sistema é majoritário. Pois bem, passou o sistema proporcional de lista fechada onde o eleitor vota no partido, que já definiu uma lista de candidatos. O eleitor aprova a lista ao dar seu voto. O número de cadeiras de cada partido segue a proporção de votos obtidos pela sigla frente ao total de votos válidos. Funciona assim em Portugal, Espanha e África do Sul. Votou favorável a este sistema o senador Luiz Henrique, que integra a Comissão. Mas vale destacar que não é ainda regra definitiva, mas uma tendência. Nesta terça-feira voltam a se reunir e na pauta, entre outros temas, o financiamento público de campanha.
 
Roberto Azevedo
 
Prazo
Deputada Ada de Luca (PMDB) trabalha com o dia 15 de abril para que a criação da Secretaria de Justiça e Cidadania seja efetivada pelos colegas de plenário. O ato faz parte da minirreforma do governo.
Para a parlamentar, que assumirá a pasta, depois deste prazo fica tarde para começar o trabalho na área que cuida de penitenciárias e presídios, crianças e adolescentes infratores.
 
 
Aconteceu na ALESC
 
Abelardo Luz terá Pelotão do Corpo de Bombeiros
Ofício enviado pelo diretor da Secretaria de Estado da Fazenda, Almir Gorges, ao deputado Marcos Vieira (PSDB), confirmou nesta semana o início dos trâmites burocráticos visando a cessão de uso de um imóvel do Governo do Estado, em Abelardo Luz, para a instalação do Pelotão do Corpo de Bombeiros. O imóvel foi usado como posto de fiscalização da Fazenda Estadual por vários anos. A estrutura encontra-se desativada.
“É o primeiro e grande passo para concretizar a instalação de uma unidade do Corpo de Bombeiros altamente treinada e equipada para prestar todo o atendimento de urgência e emergência não só para Abelardo Luz como também para os municípios vizinhos”, explicou Marcos Vieira ao apresentar o ofício às autoridades abelardenses.
O deputado lembrou que até o momento a estrutura de socorro mais próxima está localizada a cerca de 40 quilômetros  em Xanxerê e São Domingos  o que dificulta o atendimento rápido em casos de incêndio ou de acidente de trânsito. Por esse motivo, acidentes automobilísticos ocorridos na SC-467 provocaram a morte de diversas pessoas nos últimos anos.
Vieira disse que o imóvel do Governo do Estado é formado por um terreno com aproximadamente 28 mil metros quadrados e dispõe de uma área construída de 300 metros quadrados. Com a instalação do pelotão, após as obras de adaptação na estrutura física, o local se transformará num moderno centro de treinamento de salvamento de acidentados de trânsito e combate a incêndios. A unidade terá, inicialmente, entre 8 e 12 bombeiros militares.
“A instalação do pelotão dos bombeiros é uma reivindicação antiga da comunidade abelardense que nós decidimos apoiar fazendo essa intermediação direta com o Governo do Estado. O município e toda a região vão ganhar muito com isso?”, finalizou o deputado.
 
Audiência sobre Segurança Pública em Blumenau terá nova data 
Atendendo pedido do secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão, César Augusto Grubba, a Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa comunica que a audiência pública que estava marcada para acontecer no mês de março, por solicitação do deputado Jean Kuhlmann (DEM), teve que ser adiada. A nova data ainda não foi definida. Na semana que vem os membros da Comissão, juntamente com o Secretário, devem se reunir para definir o dia.
O objetivo do encontro é debater os graves problemas na segurança pública enfrentados pelo município, abrir espaço para manifestação da sociedade e reunir autoridades que possam interceder junto aos órgãos competentes de maneira efetiva. “Esse encontro tem o objetivo de definir linhas de ações, alertar o governo sobre a urgência das medidas a serem tomadas e dar voz aos representantes das comunidades diretamente atingidas pelo problema”, enfatizou Kuhlmann.
 
 
MÍDIAS DO BRASIL
 
 
Veículo: Agência Estado
Editoria: Brasil
Assunto: De todos os detentos, 1% cumpre pena por estelionato
 
De todos os detentos, 1% cumpre pena por estelionato
Para promotor, lei favorece os criminosos de colarinho-branco, o que colaboraria para o baixo número de processos
Um fundo de pensão, com R$ 2 bilhões em caixa, queria fazer investimentos no Brasil. Oferecia empréstimo de longo prazo, 5 anos de carência e 20 para pagar. Todo o andar de um prédio na Avenida Paulista, em São Paulo, era alugado pela empresa A&B, intermediária do fundo. Para receber o aporte, o empresário teria de oferecer garantias e adquirir debêntures (títulos emitidos por empresas de capital aberto). Mas essas debêntures não têm valor de mercado e a quadrilha fica com o dinheiro.
O Golpe das Debêntures, como é chamado por autoridades, é alvo de dois processos em Santa Catarina e outro em São Paulo, tocado pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco). “O suposto empréstimo do fundo não existe. Estamos em busca de mais depoimentos para fazer a denúncia e conseguir condenar os estelionatários”, afirma o promotor do Gaeco de São Paulo, Neudival Mascarenhas Filho.
Por enquanto, pelo menos 21 vítimas de seis Estados já procuraram o Ministério Público paulista e catarinense para reclamar perdas que chegam a R$ 2,8 milhões. Na avaliação dos promotores de São Paulo, esse número é ainda maior porque muitas vítimas não procuraram a Justiça por não saber que se trata de um golpe.
Entre os 496 mil presos do sistema penitenciário brasileiro em dezembro do ano passado, apenas 1% cumpria pena por estelionato. Na avaliação do promotor Benhur Poti Betiolo, do Ministério Público de Santa Catarina, a lei favorece os criminosos de colarinho-branco. Em dezembro do ano passado, Betiolo denunciou cinco pessoas no braço catarinense do Golpe das Debêntures. Dos detidos, só um deles, João Djalma Prestes Júnior, permanece na prisão. “A pena para estelionato é de 1 a 5 anos e o crime logo prescreve. As vítimas têm medo ou receio de se expor e por isso muitos criminosos acabam se safando.”
Para o advogado criminalista Thiago Gomes Anastácio, integrante do Instituto de Defesa do Direito à Defesa, provar a diferença entre o estelionato e o fracasso comercial exige cuidado.”É crime se houve dolo. O desafio é provar se o golpe foi intencional ou se o resultado comercial foi malsucedido.”
Para aprender mais sobre as artimanhas dos estelionatários, já está disponível na internet desde sexta-feira o documentário sobre Marcelo Nascimento Rocha, “o maior picareta do Brasil”, de Mariana Caltabiana. A história deu origem ao filme Vips, estrelado por Wagner Moura e em cartaz nos cinemas. O documentário pode ser baixado gratuitamente no site filmevips.com.br. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.