Área do associado

Área do associado

Clipping do dia 02 de maio

2.5.2011
CLIPPING
02 Maio 2011
 
MÍDIAS DE SANTA CATARINA
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Geral
Assunto: Mudança na regularização da Zona Azul
 
Sem bloco de notas na Capital
A partir de hoje, os motoristas precisam ter mais atenção ao estacionar na Zona Azul da Capital para não pesar no seu bolso. Agora, no ato da regularização do cartão de aviso em papel amarelo não será mais entregue o bloco com 10 cartões de estacionamento. A alteração foi comunicada pelo Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (Ipuf).
No sistema anterior, a dívida pela irregularidade era a compra de um bloco com 10 folhas, sendo o custo de R$1 por cartão. O pagamento correspondia ao valor de 10 horas de uso de estacionamento rotativo. Com a mudança, o motorista fará apenas o pagamento e não terá a “bonificação” do bloco de cartões de estacionamento. O Ipuf explica que a mudança é legal e o valor determinado pelo Código de Trânsito Brasileiro: “os proprietários e/ou motoristas de veículos estacionados em desacordo com o regulamento da área de estacionamento rotativo e que tenham sido formalmente informados através de aviso de irregularidade emitido por agente público poderão, no prazo de 72 horas, procederem a regularização nos locais indicados no referido aviso, administrados pelo Ipuf, mediante o pagamento do preço público correspondente ao valor de 10 horas de uso da área de estacionamento rotativo”.
A assessoria de imprensa do Ipuf destaca que não houve nenhuma mudança no processo de regularização. O Instituto explica que a compra do bloco de cartão era uma medida educativa, necessária, para que o condutor habituar-se às novas normas do estacionamento rotativo público.
O sistema anterior funcionava desde dia 15 de julho de 2009, quando foi tirado de utilização o cartão de aviso em papel rosa e entrou em vigor um em amarelo e começou a funcionar o processo de regularização.
O motorista que é flagrado em estacionamento indevido ou pela ausência do cartão de estacionamento é notificado pelo agente da Zona Azul com um cartão de aviso, que é assinado pelo guarda municipal. O infrator tem 72 horas para procurar a Gerência de Controle de Operações da Zona Azul e regularizar a situação. Caso contrário, é multado por estacionar em desacordo com as normas de trânsito. A infração é de R$ 54 e corresponde a três pontos na carteira de habilitação.
O IPUF também pretende aumentar os pontos de vendas de cartão de estacionamento.
____________________________________________________________________________
 
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Diário do Leitor
Assunto: Motocicletas para a polícia militar
 
Combate
Será que a polícia militar de Santa Catarina está esperando que os criminosos matem policiais em serviço para só depois tomar providências? É sabido que quase a totalidade dos assaltos e assassinatos são cometidos com o uso de motocicletas. Por que, então, os dirigentes da segurança pública não autorizam o uso de motocicletas descaracterizadas para combater os criminosos? Pois, nesse trânsito caótico, só a moto pode acompanhar outra moto, e assim impor medo aos criminosos. Caso contrário, é mas fácil o sargento Garcia pegar o Zorro.
Dorcelino R. dos Santos
São José
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Moacir Pereira
Assunto: Colombo no PSD
 
Colombo no PSD
O governador Raimundo Colombo decidiu. Vai mesmo cancelar filiação no DEM e se inscrever no PSD, o Partido Social Democrata. No momento em que o prefeito Gilberto Kassab entrava domingo as 22h45 no apartamento do deputado Gelson Merísio, para a reunião com os deputados federais e estaduais e o secretário Antônio Ceron, Colombo liberava nota comunicando a decisão de fundar o Partido Social Democrático em Santa Catarina. Falou dos compromissos de campanha e de construir um novo projeto político nacional. Kassab chegou ao encontro acompanhado do deputado federal e secretário Paulo Bornhausen, que foi recebê-lo no aeroporto Hercilio Luz.
Quando o prefeito paulistano chegou para a reunião, o prefeito João Paulo Kleinubing, presidente interino do DEM, já havia viajado para Blumenau. Alegou compromissos com a população na manhã desta segunda-feira. Pode ter evitado o testemunho na pá de cal no DEM colocada por Gilberto Kassab e Raimundo Colombo.
A operação estava toda montada. Apesar disso, o governador, seus assessores e os líderes liberais, estranhamente, procuraram dar à reunião o mais completo sigilo. Trataram do encontro decisivo de fundação de um novo partido com inexplicável reserva.
A saída do DEM era inevitável. Mas a ida para o PSD não parecia tão certa assim. Tanto que na véspera Raimundo Colombo chegou a fazer uma viagem urgente a Recife(PE), onde manteve uma longa conversa com o presidente nacional do Partido Socialista Brasileiro, o governador Eduardo Campos. O ingresso no PSB era uma das cogitações iniciais de Colombo. Eduardo Campos chegou a fazer comentários elogiosos sobre os contatos com Colombo nos encontros em Brasilia com a presidente Dilma Rousseff.
 
 
PSDB
O governador quer se reunir com os prefeitos e vereadores do DEM para comunicar a decisão e pedir adesão ao novo partido. As condições operacionais da transferência não foram divulgadas. A partir desta semana, os responsáveis pelo falecido DEM começarão a traçar diretrizes e definir o “modus operandi” da saída do ninho liberal e do abrigo na nova legenda. O presidente João Paulo Kleinubing considera o processo delicado e penoso. O presidente da Assembléia, Gelson Merísio, classifica a criação de um novo partido como trabalhosa e complexa. Cita o caso de Chapecó, onde o DEM conta hoje com 10.800 filiados e145 sub-diretórios.
O novo partido deverá contar com todos os deputados federais e estaduais e os prefeitos. Se a mudança for coletiva e majoritária, o PSD poderá começar mais forte em Santa Catarina. Já tem, antes mesmo de ser fundado, a adesão do deputado Kennedy Nunes,que anunciou desfiliação do PP. Há ameaças de dissidência no PSDB e no PDT.
O fundador do DEM, Jorge Bornhausen, está fora do processo. Ficará sem partido. No casamento do ex-deputado Antônio Luz, conversou com o governador Geraldo Alckmin sobre o cenário político. Alckmin soube muito pouco da crítica situação do PSDB catarinense. A Executiva Estadual do PSDB está sendo contestada nas bases e por segmentos partidários. Alegam que ela não existe, porque não foi totalmente eleita. Na reunião de quarta-feira, apenas o presidente Pavan. E, ainda assim, sofrendo hoje restrição de parlamentares, prefeitos e vereadores. Se não existe Executiva Estadual, a presidência de Pavan seria ilegal. E não teria legitimidade. A ameaça de desfiliação é real de deputados federais, prefeitos e lideranças municipais. Criticam Pavan pelo estilo autoritário de comandar o partido. Querem mais democracia.
Os deputados Dado Cherem e Gilmar Knaesel vestiram o uniforme de bombeiros para evitar o pior entre os tucanos. Tiveram no domingo uma longa conversa com Pavan. Mostraram a dramática situação. Para não perder os dados e os braços, o ex-governador admitiu ficar sem os anéis. Prometeu conversar com Marco Tebaldi, Jorginho Melo, Dalirio Beber e Marcos Vieira. O grupo dissidente, contudo, não tem muita esperança de mudança na postura política do presidente. Ninguém ousa prever o que possa acontecer no PSDB. Com a criação do PSD, sob o comando do governador, a debandada no tucanato poderá ser ainda maior
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Editoriais
Assunto: Crime e fraude
 
CRIME E FRAUDE
O envolvimento de uma promotora em denúncia de corrupção no Distrito Federal ganhou novos componentes para se transformar em mais um caso exemplar de afronta às instituições. São chocantes as provas reunidas pela Justiça que comprovam a participação de um psiquiatra na montagem de uma farsa, para que a acusada, a promotora Deborah Guerner, enganasse peritos, como pretensa portadora de distúrbio mental. A participação de um representante do Ministério Público em crimes conhecidos como o mensalão do DEM já seria suficiente para arranhar a imagem do MP, até porque outro membro da mesma instituição seria protagonista do mesmo episódio. A encenação montada pelo médico Luís Altenfelder, até então considerado um profissional conceituado, apenas agrava o episódio, por desrespeitar os rígidos princípios éticos de uma categoria que sempre buscou preservar normas de conduta e sua reputação.
Um promotor público tem atribuições nobres, fortalecidas pela Constituição de 1988. Cabe aos integrantes do MP a defesa permanente da ordem jurídica e dos interesses da sociedade. São muitos os indícios de que a funcionária sob investigação passava informações privilegiadas a acusados de corrupção e extorquia dinheiro do ex-governador José Roberto Arruda. A doutora Deborah subvertia, por interesse próprio, as regras que deveria seguir e defender incondicionalmente. O doutor Altenfelder incorreu em transgressão igualmente condenável, ao tentar induzir colegas, peritos judiciais, ao erro de avaliação, quando recomendou que sua cliente simulasse um surto de bipolaridade para se livrar das acusações.
Tanto a promotora quanto o psiquiatra foram flagrados cometendo delitos em decorrência da cumplicidade da denunciada com políticos corruptos. Ambos contribuem para a compreensão de que os crimes atribuídos a ocupantes de cargos públicos invariavelmente envolvem pessoas das mais variadas áreas. Corruptores e corrompidos transitam no Brasil em governos, em Legislativos, em empresas e, lamentavelmente, também em instituições que têm o dever de fiscalizar, inibir e punir atos criminosos. O exemplo da promotora é um entre outros casos, alguns recentes, de envolvimento de representantes do Ministério Público e da própria Justiça em desvios graves, muitos dos quais configurados como crimes.
Além dos trâmites legais previstos, até a elucidação dos episódios, tanto a promotora quanto o psiquiatra devem, ao mesmo tempo, se submeter a avaliações de conduta dos órgãos encarregados de fiscalizar suas atividades. As respostas aos desmandos cometidos são também de responsabilidade do próprio MP, através do Conselho Nacional do Ministério Público, e do Conselho Regional de Medicina. Deborah e Altenfelder agiram com desenvoltura, até serem flagrados, porque se consideravam acima da lei. São maus exemplos para o MP, para a medicina e para a sociedade. Os órgãos fiscalizadores de suas atividades têm o dever de conduzir investigações internas que contribuam para a atuação da Justiça.
____________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Líder de facção criminosa foge de hospital na Capital
 
Líder de facção criminosa foge de hospital na Capital
Davi Schroeder, preso há 23 dias numa operação policial, conseguiu escapar, ontem, sem dificuldades
Davi Schroeder, o Gângster, 27 anos, preso há 23 dias e apontado pela polícia como um dos líderes da facção criminosa que age de dentro das prisões, fugiu na tarde de ontem. Ele escapou por uma janela do Hospital Nereu Ramos, em Florianópolis, onde estava internado há 10 dias com meningite. No momento da fuga não havia policiamento (veja detalhes da fuga no texto ao lado).
Ele havia sido capturado em 9 de abril, numa operação da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic). Por volta das 17h de ontem, os funcionários deram falta do preso quando um paciente do quarto ao lado ouviu um barulho de moto e avisou os enfermeiros.
Um funcionário disse que Davi estava acorrentado pelo pé e que a escolta “apenas passava por lá, dava uma olhada no preso e ia embora”. A Polícia Militar montou barreiras na Ilha e Continente na tentativa de recapturá-lo, mas sem sucesso até o fechamento desta edição.
Ao prendê-lo, em abril, a Deic considerou o feito um golpe à facção criminosa e ao tráfico de drogas. Houve entrevista coletiva e tornaram-se públicas cartas contendo informações sobre alvos da operação e até planos para matar o diretor da Penitenciária de São Pedro de Alcântara, Carlos Antônio Gonçalves Alves e o diretor do Departamento de Administração Prisional (Deap), Adércio Velter.
A mobilização para prendê-lo havia gerado uma investigação pela Deic. Houve monitoramento e intenso acompanhamento dos investigados. Gângster acabou preso em sua casa, em São José. O diretor da Deic, delegado Cláudio Monteiro, disse, na época, que Gângster era perigoso e tinha na facção a função de disciplina: cabia a ele cumprir ordens dos criminosos vindas das cadeias, como punições. A polícia apresentou uma jaqueta que seria sua e com a palavra “Gângster” estampada.
Ao ser apresentado, ele vestia uma camisa do Milan com o número 70 – “Setenta” é também é apelido de Nelson de Lima, um dos líderes e fundadores da facção, preso pela Deic em 2010, na Capital.
A responsabilidade sobre a segurança do preso no hospital é desconhecida. Ontem, após a fuga, o delegado Monteiro evitou fazer comentários. Disse que vai se inteirar do fato hoje. Afirmou apenas que tinha feito a sua parte, que foi a de prendê-lo. Procurado pelo DC, o diretor do Deap, Adércio Velter, disse que não sabia da fuga. Ele comentou que Davi Schroeder não havia entrado no sistema prisional catarinense e que a sua custódia supostamente caberia a quem o prendeu.
Adércio declarou que conta com uma equipe de cinco agentes penitenciários à disposição desses casos, mas garantiu que Davi não integrava a lista dos presos a serem cuidados pelo Deap. Na ficha criminal de Davi constam ações criminais por tráfico de drogas, assassinato, assalto e tentativa de homicídio contra policiais militares. No dia em que foi preso, o seu advogado negou que ele integrasse facção criminosa e garantiu que o seu cliente era inocente da acusação de tráfico.
 
Governo discute ações anticrime
Criada há 12 dias para investigar, reprimir e prevenir a onda de atentados contra a polícia no Estado, a força-tarefa da Secretaria de Segurança Pública (SSP) apresentará ao secretário César Grubba, hoje, às 13h, um relatório detalhado com os resultados das investigações.
Representantes de Itajaí, onde foi registrado o último e sétimo ataque (veja na página ao lado), também estarão presentes. Porta voz da força tarefa da SSP, o tenente-coronel João Schorne de Amorim negou relação dos atentados com uma facção criminosa catarinense.
Um funcionário da SSP, que preferiu não se identificar, afirmou que esta facção é uma das linhas de investigação da Secretaria, e que outros grupos ou pessoas podem estar tirando proveito desta situação, interessados em enfraquecer o Estado.
O método utilizado nos atentados é o mesmo, de acordo com o funcionário: dois homens em uma moto usando armas automáticas, como pistolas. Por serem automáticas, basta manter o dedo no gatilho que elas ficam disparando enquanto houver munição.
De acordo com o funcionário da SSP, a Secretaria ficou sabendo com antecedência do ataque à delegacia de Itajaí por meio de informantes na rua que têm contato com membros da facção criminosa. Ele falou que denúncias de atentados chegam diariamente e todas são checadas, como a que apontava um ataque à delegacia de Palhoça no fim de semana.
De acordo com um agente da Delegacia de Polícia de Palhoça, o local foi fechado e teve segurança reforçada no sábado à tarde, por precaução, mas nada foi registrado.
Uma das denúncias que chegou à Secretaria de Segurança é de que, nos próximos dias, pode haver um ataque a uma unidade policial de Criciúma, no Sul do Estado.
 
Sem polícia, grades ou algemas
Os avaianos ainda estavam comemorando o gol de Rafael Coelho, aos 26 minutos do primeiro tempo, quando Davi Schroeder saltou da janela de seu quarto no Hospital Nereu Ramos, subiu em uma moto que o aguardava no pátio e fugiu. Ninguém desconfiou quando, à tarde, ele pediu óleo para curativo alegando que sua pele estava ressecada. Ele usou o produto no tornozelo e conseguiu se livrar da corrente que o prendia à cama.
Davi não estava algemado, não era vigiado e a janela do quarto não tem grades e é bastante ampla.
Uma enfermeira disse que não havia policial ou agente prisional fazendo a segurança do criminoso. Os únicos dois agentes estariam assistindo ao jogo Chapecoense e Avaí. A fuga foi percebida por volta das 16h30min pela enfermagem, que avisou os dois agentes.
– Saímos correndo para o setor dele e chamamos a polícia. Nós fazemos a segurança dos presos do Deap (Departamento de Administração Prisional). O Davi é responsabilidade da Deic (Diretoria Estadual de Investigações Criminais) – observou um dos dois agentes.
Apenas um policial militar apareceu no local depois da fuga.
– Ninguém mais apareceu. Ele fugiu e continuou tudo na maior tranquilidade, como se nada tivesse acontecido – contou uma enfermeira.
 
Servidores afirmam que não há segurança no hospital
A enfermeira disse que Davi foi internado por ordem judicial.
– Veio um delegado e ameaçou prender o administrador do hospital e uma médica porque eles disseram que não tinha vagas – falou a servidora.
Foi preciso retirar um paciente do isolamento para colocar Davi, que tem meningite.
– Na sexta-feira passada, o paciente que dividia o quarto com o Davi morreu e ele ficou bem abalado – contou a enfermeira.
Ela disse que David já esteve internado antes no Nereu Ramos. De acordo com funcionários, não há segurança no hospital. A reportagem andou sem dificuldades pelo local, incluindo o setor onde estava Davi.
Servidores falaram que, quando alguma coisa anormal acontece, um policial militar fecha o postinho da Agronômica e vai para o hospital reforçar a segurança.
– De madrugada, os agentes ficam dormindo no carro. Os presos ficam espalhados por diferentes setores. Alguns ficam em quartos com as portas abertas. Eles fogem se quiserem. Os guris descem dos morros Santa Vitória, 25 e Horácio, atrás do hospital, e levam drogas para os presos.
 
Delegacia atacada em Itajaí
Agentes do setor de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Estado estão em Itajaí para ajudar a esclarecer o atentado à 2ª delegacia de Polícia, à 0h30min de sábado. Uma fonte da Secretaria de Segurança Pública afirmou ontem ao DC que o ato tem ligação com a onda de ataques que vêm ocorrendo no Estado por parte de uma facção criminosa.
A polícia de Itajaí acredita que o episódio foi isolado. Policiais foram orientados a usarem coletes à prova de balas, mesmo dentro das delegacias. Não há suspeitos.
Foram 28 tiros, disparados por quatro homens em duas motos. O delegado de polícia, Savério Sarubbi, um escrivão e dois plantonistas estavam no local. Uma família que registrava ocorrência tinha acabado de sair e por pouco não foi atingida. Depois dos disparos, os dois atiradores subiram na carona das motos e fugiram em direção desconhecida.
 
Pistola 9 milímetros e uma arma calibre 380 foram usadas
Os alvos dos tiros foram os agentes e o delegado, que só escaparam porque deitaram no chão ou se esquivaram entre as paredes. A perícia feita no local revelou que os tiros vieram de uma pistola 9 milímetros e uma arma calibre 380. Um dos plantonistas conseguiu identificar que uma das motos usadas pelos atiradores era de cor escura. Ninguém saiu ferido, mas as paredes e janelas da delegacia, localizada na Avenida Dr. Reinaldo Schmithausen, no Bairro Cordeiros, ficaram repletas de marcas e buracos. A porta de vidro estilhaçou e foi preciso colocar uma viatura em frente para evitar o fluxo livre de pessoas.
Pelo menos quatro peças da Delegacia foram atingidas e até mesmo as janelas dos fundos ficaram com sinais deixados pelas balas. Momentos antes da ação dos atiradores, viaturas da Polícia Militar estavam na delegacia. As investigações estão a cargo da Central de Operações Policiais (COP) de Itajaí.
___________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Polícia inicia ronda no entorno do Presídio de Joinville
 
Polícia inicia ronda no entorno do Presídio Regional de Joinville após suspeita de invasão
Agentes prisionais de plantão teriam ouvido barulhos de tiros no lado de fora do presídio, por volta das 20h de domingo
A suspeita de que um grupo de pessoas estivesse cercando o Presídio Regional de Joinville levou policiais militares a fazerem rondas ao redor da unidade na noite deste domingo.
Agentes prisionais de plantão teriam ouvido barulhos de tiros no lado de fora do presídio, por volta das 20h. Eles acionaram a Polícia Militar com medo de que os supostos atiradores planejassem invadir a prisão.
O oficial externo da PM na noite deste domingo, tenente Humberto Mapelli, diz que viaturas fizeram buscas na região e não encontraram nenhum suspeito. Conforme o tenente, os policiais chegaram a atirar em direção ao matagal nos arredores do presídio, mas não perceberam qualquer movimentação.
— Fizemos esse procedimento como medida preventiva, mas nada indicava que houvesse alguém escondido. Também houve buscas no mato e ninguém foi encontrado. Isso tudo pode ter sido um engano —, afirma.
Segundo Mapelli, a polícia também não encontrou marcas que indicassem que o presídio regional foi alvo de disparos. Viaturas continuam em rondas na região
___________________________________________________________________________
Veículo: Diário Catarinense
Editoria: Polícia
Assunto: Crimes e ocorrências
 
Mulher assassinada dentro de casa
A polícia registrou um crime brutal na madrugada de ontem, em Florianópolis. Por volta das 5h30min, Maria Nilda da Veiga Squis, 38 anos, foi encontrada morta dentro de casa, no Bairro Ingleses. Ela tinha sinais de agressão pelo corpo e foi golpeada na cabeça com uma lajota. A filha da vítima, de quatro anos, dormia em um dos quartos. A Delegacia de Homicídios investiga o caso, mas até a noite de ontem, ninguém havia sido preso.
 
Casal flagrado com chupa-cabra em banco
Equipamentos de chupa-cabra foram encontrados em cinco agências bancárias de Florianópolis ontem. A PM descobriu a ação da quadrilha depois da denúncia de uma cliente. Um casal foi preso quando tentava retirar o dinheiro no Itaú da Rua Tenente Silveira, no Centro. Iris Soares de Araújo e Flávio Soares de Araújo são de Brasília e estavam com cerca de R$ 2 mil. A PM está fazendo buscas em outras agências da cidade.
 
Professor morto a golpes de tesoura
O professor de matemática Jaime de Andrade, 46 anos, foi morto com golpes de faca e tesoura na madrugada de sábado no Loteamento Pagani, em Palhoça.
Este foi o 20º assassinato do ano na cidade, que teve aumento de 111% no número de mortes, de janeiro a abril, em comparação com o mesmo período de 2010, conforme mostrou o DC no domingo. Horas depois do crime, o companheiro de Jaime, Felipe Rosa da Silva, 19 anos, foi preso em flagrante, ao bater o Fiesta da vítima na BR-101. Ele foi autuado por latrocínio (matar para roubar). Os dois mantinham um relacionamento há três meses. Em depoimento à Polícia Civil, Felipe disse que golpeou Jaime no pescoço depois de uma discussão, cujos motivos não foram revelados. O corpo de Jaime foi encontrado no banheiro do apartamento.
– Dei uma facada sem intenção, no pescoço. Não tinha vontade de matar.
Vizinhos escutaram gritos, barulhos de móveis sendo arrastados e socos na parede, na noite do assassinato. As brigas entre Jaime e o companheiro dele haviam se tornado frequentes nos últimos dias, de acordo com uma amiga da vítima. Felipe tinha mandado de prisão no Paraná
 
 
MÍDIAS DO BRASIL
 
Veículo: Agência Estado
Editoria: Brasil
Assunto: Delegacia de polícia é atacada a tiros em Itajaí
 
Delegacia de polícia é atacada a tiros em Itajaí (SC)
Santa Catarina já teve seis ataques a prédios públicos desde 31 de março
Uma delegacia de polícia foi atacada a tiros por volta das 2h30 deste sábado, em Itajaí (SC). De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, este é o sexto ataque a prédios públicos desde o dia 31 de março deste ano. Ninguém ficou ferido no atentado de hoje.
Policiais viram quatro suspeitos ocupando duas motos pararem em frente à delegacia e efetuarem cerca de 25 disparos – as cápsulas eram de revólver calibre .38 e pistola. Na hora do crime, havia cinco pessoas na delegacia – o delegado, uma escrivã e três agentes – que revidaram, mas os bandidos conseguiram fugir.
Uma força tarefa das Polícias Civil e Militar, além de órgãos de inteligência do governo, foi montada para investigar e combater os ataques. Uma das hipóteses é que a ordem para os atentados parta de dentro da penitenciária de Florianópolis. O motivo seria uma represália ao endurecimento do combate ao tráfico de drogas.
___________________________________________________________________________
Veículo: Agência Estado
Editoria: Brasil
Assunto: Ministro da Justiça defende integração de forças nas fronteiras
 
Ministro da Justiça defende integração de forças nas fronteiras
José Eduardo Cardozo disse que é urgente a integração das forças de combate ao crime organizado
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse na manhã deste sábado que é urgente a integração das forças de combate ao crime organizado para atuação nas fronteiras. “Fazemos um trabalho correndo contra o relógio, no limite das nossas possibilidades”, disse o ministro, ao citar a inauguração de dois Gabinetes de Gestão Integrada de Fronteiras, no Paraná e no Mato Grosso do Sul.
Cardozo esteve na Cidade de Deus (zona oeste), para o lançamento do programa Casa de Direitos, que oferece serviços de acesso à Justiça para a população. O ministro visitou ônibus e tendas de atendimento na comunidade, que já foi uma das mais violentas da cidade e em 2009 recebeu uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).
“As pessoas procuravam o poder paralelo porque o Estado não estava presente. A experiência das UPPs e dos Territórios da Paz não é apenas a simples ocupação territorial. É a presença do Estado, oferecendo perspectivas de cidadania”, afirmou Cardozo. “O piloto do helicóptero que me trouxe dizia no caminho que, há algum tempo, não poderia sobrevoar esta área, pois havia o risco de ser alvejado. Nunca pensei que, na condição de ministro de Estado, eu pudesse estar aqui”, afirmou Cardozo.