Área do associado

Área do associado

Clipagem do dia 7 de julho

7.7.2015

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO DIA 7 DE JULHO

 

ASSUNTO: REGISTRO BIOMÉTRICO

VEÍCULO: Diário Catarinense

Soldados irão auxiliar população no cadastro

OFICIAIS DO EXÉRCITO começam treinamento para ajudar comunidade com a atualização

Soldados do Exército começaram ontem a receber treinamento para atuar no cadastramento biométrico em Florianópolis, Blumenau e Joinville. Após três meses de curso, 300 homens da 14a Brigada de Infantaria Motorizada serão divididos no atendimento à população nas respectivas cidades. Em Santa Catarina, a biometria é obrigatória em: Florianópolis, Joinville, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, São José e Biguaçu e Blumenau.
Os moradores dessas cidades que não passarem pelo processo até março de 2016 vão perder o título de eleitor. Em Santo Amaro da Imperatriz, o prazo vence antes – 29 de novembro.
Dentre os municípios onde a biometria é obrigatória, Santo Amaro da Imperatriz é o que possui o maior número de eleitores já cadastrados, 65,82%. Biguaçu, está com 29,30%, seguido de Palhoça, com 28,36%.
Desde a abertura dos novos postos de atendimento biométrico de Joinville, Blumenau e Florianópolis, cerca de 60 mil eleitores foram cadastrados nas três cidades. Os eleitores que ainda não se cadastraram devem se dirigir a um posto de atendimento da sua cidade portando: documento oficial de identificação com foto, comprovante de residência e título de eleitor (se existente).

 

ASSUNTO: Tiroteio em Joinville

VEÍCULO: Diário Catarinense

Arma pode elucidar morte por bala perdida

Uma ação policial que terminou em tiroteio e morte na noite de domingo, na zona norte de Joinville, trouxe à tona novas evidências que podem esclarecer o assassinato do menino Matheus de Oliveira, de seis anos, atingido por uma bala perdida no dia 24 de junho, no bairro Jardim Paraíso.
Policiais militares apuravam uma denúncia de tráfico de drogas em uma casa na estrada João de Souza Mello e Alvim, no bairro Vila Cubatão, quando um dos suspeitos armados teria disparado na direção dos PMs após tentar fugir e dar início a uma perseguição.
A residência tinha marcas de tiros nas paredes. Jeferson Diego Maba, 21 anos, acabou atingido e morreu no local. Nenhum policial se feriu. Conforme a polícia, Jeferson portava uma pistola 9 milímetros e carregava maconha e cocaína. A casa dele, que era alugada, foi alvo de uma ação policial que resultou em duas prisões um dia antes.


POLÍCIA ACREDITA QUE VÍTIMA ESTAVA NO CARRO
O comandante do 8o Batalhão da PM em Joinville, tenente-coronel Nelson Coelho, diz haver suspeitas de que a arma encontrada com Jeferson tenha sido usada na ação que tirou a vida do pequeno Matheus e também não descarta que tenham feito uso dela em outros crimes.
A confirmação, no entanto, dependerá de análises do Instituto Geral de Perícias (IGP) para comprovar se a pistola é compatível com a bala perdida que acertou o menino.
Matheus de Oliveira foi morto durante um tiroteio, quando um jovem de 19 anos foi executado. Segundo testemunhas, os tiros partiram de um Renault Sandero. Um garoto de 15 anos, que também portava drogas e estava na mesma casa onde houve o confronto no domingo, teria confirmado à polícia que dirigia o Sandero naquela ocasião e que Jeferson também estava envolvido no crime.

 

ASSUNTO: Resgate da história

VEÍCULO: Portal da PMSC

Embaixador japonês é recepcionado pelo comandante-geral no Museu Lara Ribas

No dia 22 de dezembro de 1803, japoneses pisavam pela primeira na história em solo brasileiro e, em particular, na América do Sul. Um navio russo, então com quatro tripulantes japoneses, atracou junto à costa catarinense, dele saindo os botes que levaram os integrantes da viagem ao Forte Santa Cruz (hoje Forte Santana), e a Vila Nossa Senhora do Desterro, que mais tarde passaria a se chamar Florianópolis. A viagem foi longa, tendo iniciado 10 anos antes, em 1793, quando 16 pessoas saíram do Japão à bordo do veleiro Wakamiya-maru, em direção à capital Tóquio. Por diversos problemas enfrentados durante a viagem, o veleiro e seus tripulantes acabaram saindo da rota inicial e deslocaram para locais imprevistos. As viagens foram exaustivas e difíceis, que acabaram ceifando a vida de alguns dos japoneses e provocando a desistência no prosseguimento da viagem para outros, antes da chegada ao Brasil.

Veja aqui um relato mais detalhado do desembarque na Ilha de Santa Catarina, dos primeiros japoneses que deram a volta ao mundo.

A partir de 2013, algumas ações foram tomadas buscando resgatar a história e homenagear estes japoneses, náufragos do veleiro Wakamiya-maru. Uma delas foi a criação e o enterro de uma Cápsula do Tempo, contendo diversos materiais históricos, que será aberta no ano de 2050, e na instalação de uma placa indicativa do local onde foi introduzida a mencionada cápsula. Esta cápsula está enterrada junto ao Forte Santana, no local da chegada dos primeiros japoneses em solo brasileiro.

Clique aqui e veja a matéria relacionada: Associação Wakamiya-maru realiza enterro de Cápsula do Tempo no Museu da PM

Na manhã desta segunda-feira (6), buscando resgatar e manter viva a história, o embaixador do Japão, Kunio Umeda, acompanhado de sua esposa, Keiko Umeda, e de uma comitiva, realizou uma visita ao Forte Santana e ao Museu da Polícia Militar Lara Ribas, em Florianópolis. A visita faz parte das atividades comemorativas dos 120 anos do estabelecimento das relações diplomáticas entre Brasil-Japão.

O comandante-geral da PM, coronel Paulo Henrique Hemm, acompanhado do deputado estadual Cesar Valduga e do chefe da 16ª Circunscrição de Serviço Militar (CSM), tenente-coronel EB Milton Hideo Harada, receberam o embaixador e os demais integrantes da comitiva, como os diplomatas do Consulado Geral do Japão em Curitiba Toshio Ikeda (cônsul geral) e Takahiro Iwato (cônsul), e integrantes da Associação Wakamiya-Maru. Na oportunidade, os presentes tiveram acesso a três katanas (tipo de espada japonesa), que se encontram expostas no museu da PM, e iniciaram as tratativas para o envio delas ao Japão, para um estudo detalhado delas, que possa identificar sua origem. “Estaremos trazendo à luz novos fatos fascinantes da cultura de nosso povo, da história”, falou o embaixador.

O subtenente Andrei Francisco Fernandes, escritor e historiador da PM, realizou um levantamento prévio de informações sobre as espadas. Contudo, somente um estudo aprofundado poderá dizer, com exatidão, a origem e a história destes exemplares.

Durante o encontro também foi discutida a criação de um pequeno jardim japonês junto ao talude construído no local de desembarque dos japoneses, no Museu Lara Ribas, além de monumento homenageando os marinheiros do Wakamiya-maru e os demais membros da expedição do Nadiezhda e Neva. “Isso contribuiria para aumentar a visitação pública da área e marcar, de maneira indelével, todo o legado histórico que existe neste local”, finalizou o comandante-geral da PM, coronel Paulo Henrique Hemm.

 

ASSUNTO: Troca de comando

VEÍCULO: Portal do CBMSC

PASSAGEM DE COMANDO E ENTREGA DE HOMENAGENS EM CHAPECÓ

     

Solenidade militar realizada na sexta-feira (03/07) no quartel do Corpo de Bombeiros Militar de Chapecó, no Oeste do Estado, marcou a passagem de comando do 6º Batalhão de Bombeiros Militar – com sede no município.

O Tenente-Coronel BM Aldo José Franz assumiu o Comando da Unidade, que desde o mês de janeiro era ocupado pelo Coronel BM Júlio César da Silva. O comandante substituído, recém-promovido ao último posto do oficialato, segue para a Capital onde exercerá atividades junto a Diretoria de Ensino da Corporação.

O ato de passagem de comando foi realizado sob clima ameno, no interior do quartel em Chapecó, enquanto chovia do lado de fora. Mas as condições não atrapalharam o evento que foi amplamente prestigiado por autoridades locais e representantes da imprensa.

Antes do ato de passagem de comando houve a entrega de homenagens a Bombeiros Militares locais que seguiram à Reserva Remunerada - Subtenente BM Paulo Cézar Antunes Pinheiro, o 3º Sargento BM Amarildo Beliniski e 3º Sargento BM Edir Angelin Ferreira - e a entrega de medalhas por Mérito e Tempo de Serviço nas categorias bronze, prata e ouro a outros 28 profissionais BM.

A solenidade foi encerrada com o tradicional batismo (banho de mangueira) dos comandantes substituto e substituído.

 

ASSUNTO: Polícia Civil

VEÍCULO: Portal da SSP

Dentro da proposta de fortalecer a investigação, a Delegacia Geral da Polícia Civil (DGPC) vem investindo na tecnologia para otimização e eficiência dos seus trabalhos. Entre essas ferramentas está a Delegacia Eletrônica, com o incremento dos registros de ocorrências (BO eletrônico), e o registro audiovisual dos procedimentos em flagrante, que terá seu projeto piloto implantado neste final de semana, 4 e 5, nas Centrais de Plantão Policial (CPP) da Capital e de Palhoça.

Nesta gestão, de 1.° de janeiro a 29 de junho deste ano, foram realizados 76142 registros de ocorrências pela internet (Delegacia Eletrônica -http://www.delegaciaeletronica.sc.gov.br/inicio.aspx). Destes, 14132 ocorrências são referentes a Acidentes de Trânsito sem Vítimas, modalidade criada em dezembro do ano passado.

A Delegacia Eletrônica oferece, atualmente, dez tipos de modalidades de registro, como perda de objetos, perda de documentos, furto de celular, ameaça, dano causado por fenômenos naturais, denúncia anônima e Acidentes de Trânsito sem Vítimas. Esta última ocorrência, por exemplo, se feita pela internet, de casa ou do trabalho, a pessoa leva em torno de 3 minutos para o registro, enquanto que em uma unidade policial pode levar em torno de 20 minutos.

“São ganhos tanto para a vítima, que não precisa se deslocar para a delegacia, nem enfrentar trânsito, quanto para a Polícia Civil que tem seus policiais liberados para a investigação neste tempo que estariam registrando o BO”, salienta o Delegado Geral, Artur Nitz. O Chefe da Polícia Civil acrescenta que já está sendo estudada, junto ao CIASC, a possibilidade de aumentar o número de modalidades de registros pela Delegacia Eletrônica.

Outra aposta da DGPC é o sistema de gravação audiovisual nos Autos de Prisão em Flagrante, que está sendo implantado como projeto piloto na Capital e em Palhoça. Se aprovado, será levado às Delegacias Regionais até o final do ano. A grande vantagem é a agilidade no processo que pode reduzir mais da metade do tempo utilizado para o procedimento, visto que as oitivas não precisam ser mais digitadas, explica o Diretor comercial da Kenta Informática, Roberto Caldeira, empresa que apresenta o produto.

“Esta é outra proposta que estamos adotando em benefício da investigação e da população, considerando que a vítima fica menos tempo na delegacia e os policiais também, podendo voltar para sua atividade fim que é investigar”, apontou Nitz.